A campanha de vacinação contra o sarampo e a pólio termina nesta sexta-feira em Porto Alegre

Termina nesta sexta-feira (28) a vacinação contra o sarampo e a poliomielite para crianças de 1 ano a 5 anos incompletos em Porto Alegre. As crianças de 1 ano de idade fazem parte do grupo de menor cobertura vacinal da campanha na Capital.

Dados parciais do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde apontam que a cobertura vacinal dessa faixa etária para a poliomielite é de 62,56%. O número é inferior às demais idades da campanha, chegando a 82,05% em crianças de 2 anos, 86,83% na faixa dos 3 anos e 84,95% em crianças de 4 anos.

No que se refere ao sarampo, os números são semelhantes. A cobertura vacinal de crianças de 1 ano fica em 60,79%, subindo para 81,53% em crianças de 2 anos, 86,8% na faixa dos 3 anos e 84,23% em crianças de 4 anos.

No dia 21, a prefeitura de Porto Alegre confirmou a prorrogação da campanha de vacinação contra o sarampo e a poliomielite até esta sexta-feira somente nas unidades de saúde que não atingiram 95% de cobertura do público-alvo. A ideia, segundo o Executivo, é tentar uma interação maior junto à Secretaria Municipal de Educação, buscando as crianças nas escolas de educação infantil e fortalecendo a busca ativa dos agentes comunitários junto ao público infantil.

O secretário municipal de Saúde, Erno Harzheim, destacou que a medida pretende ampliar a cobertura vacinal, principalmente de crianças entre 1 e 2 anos. “Se levarmos em conta a avaliação por idade, temos 62% de cobertura para crianças de menos de 2 anos de idade para a poliomielite e 60% para o sarampo”, salientou Hazheim.

Em números gerais da faixa etária da campanha, a cobertura da vacinação chegou a 78,3% para poliomielite e 77,49% para sarampo na Capital gaúcha. O número de doses aplicadas durante a campanha passou de 50,5 mil contra o sarampo e 51 mil contra a poliomielite. A meta estimada pelo Ministério da Saúde em Porto Alegre é imunizar pelo menos 61,9 mil crianças de 1 a menos de 5 anos, que correspondem a 95% das 65,1 mil estimadas como população-alvo pelo ministério.

Governo federal

Em uma tentativa de reverter a queda nos índices de vacinação de crianças, o governo federal estuda tornar obrigatória a exigência da carteirinha nacional de imunização como requisito para a matrícula nas escolas.

Atualmente, a apresentação da carteirinha de vacinação já é cobrada por parte das redes de ensino durante a matrícula dos alunos, mas não há uma regra federal sobre o tema. Agora, a ideia, que tem apoio do Ministério da Saúde, é fazer uma portaria conjunta com o Ministério da Educação para regulamentar essa exigência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *