Abigeato: furto de gado tem queda de 15% no Rio Grande do Sul

O crime de abigeato vem diminuindo no Rio Grande do Sul, como mostram dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública. Mesmo assim, especialistas avaliam que é preciso uma ação coordenada à nível nacional.

O furto de gado no Rio Grande do Sul apresentou queda de 15% em setembro. Foram 369 casos registrados em comparação aos 438 no mesmo mês de 2019. Segundo o presidente da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça, Leonardo Lamachia, a queda nos índices se deve à ação efetiva de iniciativas de combate ao crime no estado.

“A força-tarefa que foi criada no governo Sartori e dada a continuidade no governo do Eduardo Leite, e ampliado o seu trabalho a partir das delegacias especializadas, têm dado um resultado muito positivo”, revelou o presidente da Febrac, Leonardo Lamachia.

Lamachia explica que o abigeato não é mais fruto de roubos pontuais, e sim um crime praticado por quadrilhas e organizações criminosas especializadas. Por isso, o presidente da Febrac defende a criação de uma política nacional para a segurança do campo.

“A necessidade de nós termos uma política nacional, não só alterações legislativas, mas ação entre as polícias: federais, rodoviárias, estaduais, militares, para que isso seja uma pauta do Brasil. Que nós possamos proteger a criação de animais brasileira, porque a pecuária brasileira é a primeira comercial do mundo. E, portanto merece esta atenção especial do Brasil”, destacou Lamachia.

A Febrac está agora escrevendo uma proposta de política nacional de combate à criminalidade no campo para apresentar ao Governo Federal. “O trabalho do pecuarista sobretudo, que é o criador de animais de raça, diferentemente da indústria e do comércio, ele tem o seu estoque a céu aberto. Se o agronegócio brasileiro representa hoje, praticamente 40% do PIB e tem sido a locomotiva, o sustentáculo da economia brasileira, é fundamental que o Brasil tenha um olhar específico sobre este tema da segurança no campo”, comentou o presidente da Febrac.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *