CEEE-D é vendida para Equatorial Energia

A Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica, a CEEE-D, foi vendida na última quarta-feira (31) em um leilão realizado em São Paulo, na bolsa de valores.

Com um lance único, a CEEE-D foi vendida para a empresa Equatorial Energia que tem sede situada em Brasília, no Distrito Federal. A venda das ações da companhia teve um preço mínimo instituído em R$ 50 mil e foi comprada pelo valor de R$ 100 mil. O investimento vem em um momento onde a dívida da ex-estatal chegava a cerca de R$ 7 bilhões.

“Ao fazer a venda nós vamos garantindo os investimentos para a população em energia elétrica, que é estratégico no ponto de vista de desenvolvimento. E também, transferindo aí pelo menos R$ 3 bilhões em meio de reais, em passivos acumulados por esta companhia que serão assumidos pela iniciativa privada, pela Equatorial”, disse o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

A Equatorial Energia atua, principalmente, nas Regiões Norte e Nordeste do Brasil. O diretor Tinn Amado destacou que a empresa costuma obter concessões complexas, buscando melhorar a regulação do setor elétrico.

“Estamos convictos que vamos conseguir replicar o processo exitoso das nossas outras quatro empresas, no Rio Grande do Sul, trazendo benefícios para a sociedade”, afirmou o diretor da Equatorial Energia, Tinn Amado.

O próximo passo do governo do Rio Grande do Sul é privatizar também a CEEE GT de geração, assim como de transmissão. O governador Eduardo Leite garantiu que a aprovação e a modelagem para a venda já estão encaminhadas.

“A CEEE GT foi dividida em duas companhias, a CEEE Geradora e a CEEE Transmissora. Elas serão vendidas separadamente e os editais devem estar publicados muito em breve com leilões também, ainda no final deste primeiro semestre”, revelou Leite.

A crise da CEEE é motivada principalmente pelos atrasos do ICMS. Antes da assinatura do contrato, R$ 900 milhões de ICMS devem ser pagos aos municípios. O governo do estado tem a expectativa de que o pagamento seja efetuado nos próximos 60 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *