Duas toneladas de alimentos impróprios para o consumo foram apreendidas na Serra Gaúcha

Quatro estabelecimentos comerciais foram fiscalizados e autuados durante uma operação da Força-Tarefa Segurança Alimentar no município de Garibaldi, na Serra Gaúcha, na terça-feira (30). No total, foram recolhidas cerca de duas toneladas de alimentos impróprios para o consumo.

Os agentes vistoriraram o Mercado Ortafruti, o Supermercado Apollo, o Supermercado São Lucas e o Supermercado Cairú. O Mercado Ortafruti teve o depósito interditado por presença de roedores mortos e fezes de roedores espalhadas pelo chão, sujeira e desorganização dos produtos. Também havia alimentos vencidos e mofados. O depósito do Supermercado Apollo também foi interditado.

No Supermercado São Lucas, foram registrados problemas como carnes sem procedência, mal armazenadas e vencidas. Havia diversos produtos fora da temperatura (como presuntos) ou do prazo de validade, muitos deles deteriorados e até mofados. No Supermercado Cairú, também foram identificados alguns problemas com conservação e data de validade dos alimentos.

Participaram da operação o coordenador do Grupo de Atuação especial de Combate ao Crime Organizado – Segurança Alimentar, Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, o promotor substituto da Promotoria de Justiça de Garibaldi, Élcio Menezes, representantes da Vigilância Sanitária Municipal de Garibaldi, da Vigilância Sanitária Estadual e da Secretaria Estadual de Agricultura.

(Foto: MP/Divulgação)

Região Metropolitana

Na semana passada, dois estabelecimentos comerciais foram fiscalizados durante uma operação da Força-Tarefa do Programa Segurança Alimentar no município de Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre. No total, os agentes recolheram 1,2 tonelada de alimentos impróprios para o consumo.

Os estabelecimentos vistoriados e autuados foram os supermercados Índio e Paulinho. O último sofreu interdição parcial em razão das fezes de roedores encontradas no depósito. Entre os principais problemas verificados, estão carnes sem procedência, produtos fora da temperatura adequada ou do prazo de validade, embalagens abertas ou danificadas, álcool e medicamentos de uso veterinário de venda proibida. Também foram detectados problemas de higiene, como equipamentos sujos e presença de fezes de animais em locais onde ficam depositados os alimentos.

Participaram da operação em Guaíba o coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Segurança Alimentar, Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, a promotora de Justiça de Guaíba Ana Luiza Domingues de Souza Leal, representantes da Vigilância Sanitária Municipal do município, da Vigilância Sanitária Estadual, da Secretaria Estadual da Agricultura e da Delegacia do Consumidor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *