Fórum Desenvolvimento Sustentável no Sul do Brasil vai avaliar como está o RS frente a Agenda 2030

Luiz Corrêa Noronha é diretor de Planejamento e Financeiro do BRDE, instituição que elenca seu nome ao Fórum Desenvolvimento Sustentável no Sul do Brasil. A iniciativa encabeça o Projeto RS Sustentável, da Rede Pampa, que objetiva discutir temas de interesse da sociedade como um todo.

Segundo ele, o Fórum, que acontece dia 3 de dezembro, na sede do Ministério Público, na Capital, vem ao encontro “da nossa linha de trabalho com foco realmente no desenvolvimento sustentável”. Além disso, Noronha considera que será uma excelente oportunidade de avaliar como está o Rio Grande do Sul frente a Agenda 2030, que hoje, em nível mundial, conta com o compromisso assumido por praticamente todas as nações, alinhadas a 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) e a 169 metas para erradicar a pobreza e promover vida digna para todos, dentro dos limites do planeta. “Juntos, entidades representativas dos setores público, privado e financeiro vamos trabalhar estes três momentos para saber qual a situação atual que o RS se encontra quanto à implementação da Agenda 2030”.

O diretor de Planejamento e Financeiro do BRDE acredita que “cada um dos interlocutores poderá falar um pouco sobre o que está acontecendo nas suas áreas no Rio Grande do Sul”. O Fórum será, como atesta Noronha, “uma prestação de contas dos três setores” e servirá para chamar ainda mais a atenção sobre a necessidade da implementação dos objetivos e metas que regem a Agenda 2030.

Na visão do diretor do BRDE, o conteúdo da Agenda 2030 é inquestionável, tanto que foi aprovada por inúmeros países no âmbito das Nações Unidas. “Todos assumiram um compromisso internacional”. Ele diz ainda que “não consigo achar nada que esteja errado na Agenda 2030 mas me disponho a ouvir. Não tem como questionar seus objetivos e metas”.

Noronha considera que o RS é hoje um dos Estados da Federação mais focado na sustentabilidade e um dos exemplos é a transformação da matriz energética e “o Estado continua pioneiro nisto, que tem muito a ver com o seu DNA”. Nesta linha, ele finaliza, enfatizando que o Fórum Desenvolvimento Sustentável no Sul do Brasil é uma oportunidade para discussão e apresentação de coisas novas.

O Fórum
Pelo setor público, os debatedores serão: Maria Helena Sartori – Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos; Ana Pellini – Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema); Maristela Marques Baioni – Representante-residente assistente e Coordenadora da área Programática do PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Fabiano Dallazen – Procurador-Geral de Justiça do Rio Grande do Sul.

Pelo setor privado, Gilberto Porcello Petry – Presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) para a gestão 2017/2020; Luiz Carlos Bohn – Presidente da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Rio Grande do Sul (Fecomércio-RS); Gedeão Silveira Pereira – Presidente da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (FARSUL) e Carlo Pereira – Secretário-Executivo da Rede Brasil do Pacto Global da ONU.

Pelo setor financeiro, Luiz Corrêa Noronha – Diretor de Planejamento e Diretor Financeiro do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE); Irany de Oliveira Sant’Anna Junior – Vice-Presidente do Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. (Banrisul) e Edson Bündchen – Superintendente Estadual do Banco do Brasil.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pelo e-mail www.forumdesenvolvimentors.com.br . Informações pelo fone 3218. 2502. (Clarisse Ledur)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *