Guerra de facções: polícia desvenda oito mortes em um intervalo de 36 horas

A Polícia Civil trouxe a público nesta sexta-feira (29) uma guerra entre facções criminosas na capital gaúcha. A operação maio vermelho visa combater essa disputa que resultou em oito mortes, em um intervalo de 36 horas, no início do mês de maio.

Vídeos foram gravados momentos antes das execuções. Dois grupos criminosos de Porto Alegre disputam pontos de tráfico de drogas na cidade. A morte de um bebê, em fevereiro desse ano, transformou essa rivalidade numa grande guerra, que acabou com oito homicídios entre os dias 02 e 04 de maio.

“Depois dessa morte ocorrida no dia 2 de maio, para cada um indivíduo da facção deles que fossem mortos, eles matariam dez da outra, um por dez. E assim foi que ocorreram depois dessa morte, não ocorreram dez, mas tiveram oito outras mortes”, relatou a Diretora do Dep. de Homicídios da capital, Vanessa Pitrez.

Pelo WhatsApp, os criminosos confirmavam as execuções, ostentavam as armas dos ataques e combinavam futuros alvos. Por meio de mensagens de áudio, esses objetivos ficavam ainda mais claros. A disputa não estava restrita ao comando do tráfico na região, mas na demonstração de poder de uma facção sobre a outra.

“Identificando um grupo nesses locais, eles simplesmente desciam do veículo e passavam a efetuar os disparos. Não existia um alvo específico, poderiam ser pessoas que ali estivessem usando drogas, poderiam ser traficantes e poderiam ser inocentes que estivessem atravessando a via naquele momento”, explicou o delegado Rodrigo Reis.

Quarenta celulares foram apreendidos na operação. A polícia já identificou dois homens que seriam os mandantes das execuções e do início da guerra entre os grupos criminosos. Um deles está preso em regime fechado enquanto o outro está no semiaberto.

Além de ter identificado os mandantes, até o momento a polícia prendeu três suspeitos. Dois menores também foram apreendidos por envolvimentos nos homicídios. Outros dois homens seguem foragidos. A partir de agora a polícia vai reforçar os trabalhos para frear a disputa das facções.

“Nossa atuação integrada com toda a certeza impediu a ocorrência de novas mortes, decorrentes desta guerra criminosa entre essas facções que ocorreriam como vingança ao longo do mês de maio”, disse Vanessa Pitrez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *