Preso em Porto Alegre um homem condenado a mais de 90 anos de prisão por abusar sexualmente de cinco meninas

Agentes do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) prenderam, na quarta-feira (07), no bairro São José, na Zona Leste de Porto Alegre, um homem que foi condenado pela Justiça a 94 anos, seis meses e seis dias de prisão pelo crime de estupro de vulnerável.

De acordo com o delegado Arthur Raldi, o criminoso abusou sexualmente de três sobrinhas, de 10, 12 e 15 anos; da neta da sua companheira, de 7 anos; e da sua própria neta, de 5 anos.

Os crimes ocorreram nos anos de 2013, 2014 e 2016.  A Justiça expediu um mandado de prisão preventiva contra o criminoso após a sua condenação. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (07) pela Polícia Civil.

Cadastro de Pedófilos

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, sancionou, no dia 31 de janeiro, o Projeto de Lei 16/2016, de autoria do deputado estadual Maurício Dziedricki (PTB), que cria o Cadastro Estadual de Informações para Proteção da Infância e da Juventude, o chamado Cadastro de Pedófilos. A proposta foi aprovada por unanimidade no dia 5 de dezembro de 2017 na Assembleia Legislativa do Estado.

O acesso ao Cadastro de Pedófilos deve ser feito pelo site da SSP (Secretaria da Segurança Pública) e permite que membros do Ministério Público, do Judiciário, da Polícia Civil e da Brigada Militar, além de pessoas envolvidas com a defesa dos direitos das crianças, como conselheiros tutelares e secretários de assistência social, possam agir de maneira mais efetiva e com medidas protetivas. “Mais do que culpar os criminosos, a importância do cadastro está em conhecê-los, para que possamos proteger nossas crianças desse horror”, enfatizou Sartori.

“Não é com alegria que sanciono essa lei, uma vez que ela trata de uma enorme crueldade. Mas é com a sensação de dever cumprido porque, a partir da sua implantação, temos a perspectiva de tentar diminuir esse crime tão perverso. Quero saudar o deputado Maurício Dziedricki pelo empenho na criação desse cadastro, já que muitos pedófilos cumprem penas diferentes da prisão fechada, como a reabilitação, e não há um controle geral desses criminosos”, ressaltou o governador na ocasião.

O cadastro possibilita um ponto de partida para as investigações policiais e facilitará o monitoramento dos criminosos. Há uma dificuldade na apuração de crimes dessa espécie: o silêncio da vítima, que, por medo de novas agressões ou por não querer reviver o sofrimento, acaba por não falar. Até porque, tais agressões, não raras vezes vêm de pessoas da família ou amigos próximos. O Rio Grande do Sul é o quarto Estado do País a ter um cadastro desse tipo. Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e São Paulo já têm esse controle.