MST realiza protesto na capital contra a paralisação da reforma agrária

Na manhã desta terça-feira (16), o Movimento dos Sem Terra iniciou um protesto em Porto Alegre, reunindo aproximadamente 600 pessoas em frente à sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O objetivo é chamar a atenção do governo para a reforma agrária, cuja paralização é a principal reclamação do MST. Em todo o pais, houveram outras mobilizações. Estados como Paraná, Ceará, Bahia e Alagoas também foram às ruas.

Ao O Sul, lideranças do Movimento afirmaram que o protesto também reclama da extinção das políticas existentes sobre o tema. No Brasil, 150 mil famílias estão acampadas atualmente, sendo 1.800 somente no Rio Grande do Sul. Os manifestantes pediram a desconcentração de terras para a produção de alimentos.

Apesar das reivindicações, o MST não está muito otimista, conforme a coordenadora nacional do MST, Silvia Reis Marques.”Nós não temos essa ilusão, sabemos que esse governo não gosta de sem terra, não gosta de mulher, não gosta de negro, não gosta de índio (…) mas sabemos que precisamos fazer a luta”, afirma Silvia. Ela destaca ainda que a esperança dos movimentos está na população. “Vamos estar nas ruas, fazendo o diálogo com a sociedade. Nossa esperança é que o povo se levante e faça grandes mobilizações, porque, aí sim, (…) esse governo vai ter que dar respostas”, considerou ela.

A mobilização desta terça fez referência à 17 de abril, o Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária. Durante a tarde, lideranças do MST foram recebidas pelo governador Eduardo Leite, para debater as principais reivindicações do movimento no estado.

Durante a tarde desta terça-feira (16), o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, visitou empresas de tecnologia que estão sediadas em Porto Alegre. O Tecnopuc e o Parque Científico e Tecnológico da PUCRS foram os lugares visitados. Empresas como Aquiris, GetNet e 4All geraram, além da inovação, mais de 800 empregos e renda ao estado.

Leite comentou que a Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia está em processo de recriação, como um primeiro passo para a articulação das políticas públicas. Isso tudo, para desenvolver polos de inovação por todo o RS. ” Vamos aproveitar ao máximo o talentoso capital humano que a gente tem e desenvolvendo o nosso Estado a partir da nova economia”, disse.

Chamado de Inova RS, o projeto coordenado pelo secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia, Luís da Cunha Lamb, tem como objetivo criar pelo menos 10 polos regionais conectados em rede. O lançamento da iniciativa está previsto para o fim de maio. “A visita do governador a uma das maiores referências que a gente tem no Brasil em termos de inovação e da conexão entre universidade, poder público e empreendedores mostra que são esses tipos de projetos e iniciativas que daremos prioridade no governo”, disse Lamb.

A PUCRS, juntamente com a Unisinos e a Ufrgs, faz parte da Aliança para Inovação, projeto local que serviu de inspiração para o novo programa estadual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *