Pampa Debates: convidados debatem prisão de Queiroz

O programa Pampa Debates desta quinta-feira (18) recebeu o presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, Daniel de Souza, o advogado Milton Leão Barcellos, o presidente do Sicredi União Metropolitana, Ronaldo Sielichow, o empresário Eduardo Cairoli e o presidente do Centro Clínico Gaúcho, Francisco Santa Helena.

Os debatedores falaram sobre a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro. Ele foi preso nesta manhã em Atibaia, cidade do interior paulista, numa ação conjunta do Ministérios Públicos do Rio de Janeiro e de São Paulo. Queiroz passou a ser investigado em 2018 depois que um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) indicou movimentação financeira atípica dele, que é amigo do presidente desde 1984.

Santa Helena disse que a “tal de rachadinha” já existia aqui no Rio Grande do Sul. Ele ainda ressaltou que a justiça brasileira é lenta. Já para o presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul , a corrupção tem que ser combatida em todas as instâncias. “A reforma política tem que ser feita nesse país”, destacou.

O programa Pampa Debates desta quinta-feira (18) recebeu o presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul Daniel de Souza, o advogado Milton Leão Barcellos, o presidente do Sicredi União Metropolitana Ronaldo Sielichow, o empresário Eduardo Cairoli e o presidente do Centro Clínico Gaúcho Francisco Santa Helena. Os debatedores falaram sobre a prisão de Fabrício Querioz.

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, foi preso na manhã de hoje em Atibaia, cidade do interior paulista, numa ação conjunta do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) e do MP-SP (Ministério Público de São Paulo).Queiroz passou a ser investigado em 2018 depois que um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) indicou movimentação financeira atípica dele, que é amigo do presidente desde 1984.

Santa Helena disse que a “praia” dele não é muito a política. Mas que a tal de rachadinha já existia aqui no Rio Grande do Sul. “A gente vê um político envolvido essa tal de rachadinha vimos aqui no RS a muito tempo.” Ele ainda ressaltou que a justiça brasileira é lenta. Já para o presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul , a corrupção tem que ser combatida em todas as instâncias. “A reforma política tem que ser feita nesse país”, destacou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *