Produção de azeitonas poderá ser três vezes maior esse ano

A colheita nacional de azeitonas sofreu os efeitos da pandemia e da estiagem ano passado, com uma queda de 57%. Mas para esse ano a expectativa é positiva. A safra de 2021 deve atingir o triplo do ano passado. A colheita de azeitonas está chegando ao fim, com praticamente 97% da produção colhida. A expectativa é de um aumento de 100 mil litros de azeite, considerando que em 2020 a produtividade foi muito baixa, de 48 mil litros.

“Em 2021 nós tivemos uma melhora no período da floração em relação ao ano passado. Poderia ter sido melhor, mas também tivemos um excesso de chuva. Uma janela muito curta para a polinização, mas mesmo assim nós conseguimos chegar aproximadamente na estimativa de 100 mil litros de azeite este ano”, comemora o presidente do Ibraoliva, Paulo Marchioretto.

A produção de azeitonas, assim como outros alimentos, depende do clima. Para a colheita desse ano o impacto não foi tão grande, resultando em grandes números. “No período da floração nós temos que ter uma janela de 15 a 20 dias de tempo seco. E quando tem muita chuva nesse período da floração, o pólen fica muito úmido e ele não se espalha no ar, ele cai. Então isso da uma quebra muito grande na polinização, por consequência diminui a produção de azeitonas”, explicou Marchioretto.

O estado do Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional do fruto, tanto em quantidade, quanto em área, além de ter uma maior variedade de oliveiras. “Nós temos o convênio com o Ministério da Agricultura e a Embrapa para importarmos mudas de variedades diferentes de Portugal e da Itália para fazermos um processo de adaptação ao nosso clima e solo. Assim teremos um aumento de variedades disponíveis aos produtores, para que não fiquemos aqui em 4 ou 5 variedade ou 10 no máximo que temos hoje, e que é o que se utiliza”, disse o presidente do Ibraoliva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *