Ranolfo repudia abordagem da BM em ação que matou PRF aposentado

A Brigada Militar e a Polícia Civil apuram a atuação dos cinco brigadianos envolvidos na morte de um policial rodoviário aposentado. O caso ocorreu em Torres, no litoral norte, na madrugada dessa última segunda-feira (23).

As imagens que circularam nas redes sociais mostram a abordagem de policiais militares a dois jovens. Eles eram filhos de Fabio Zortea, policial rodoviário federal aposentado que foi morto por disparos que partiram dos brigadianos. O pai dos jovens abordados se envolveu na ocorrência, revoltado com supostas agressões que os filhos haviam sofrido. O vice-governador e Secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, repudiou a ação.

“Os fatos falam por si só, a boa técnica não recomenda abordagem deste tipo, mas é importante salientar que as investigações já estão em andamento, tanto por parte da Brigada Militar como da Polícia Civil. Vamos apurar esse fato de maneira isenta”, afirmou o vice-governador do Rio Grande do Sul, Ranolfo Vieira Júnior.

Quatro soldados e um sargento da Brigada Militar envolvidos na ocorrência foram afastados das funções. Um dos filhos do PRF aposentado também foi baleado na perna. Ele foi encaminhado ao hospital, segue estável e não corre riscos de saúde. Os irmãos haviam sido presos em flagrante, mas a justiça concedeu liberdade provisória. Os cinco policiais são investigados pela Polícia Civil, dois deles por homicídio doloso, quando há intenção de matar. A Brigada Militar também abriu inquérito para apurar o ocorrido.

“O nosso policial nunca sai para a rua para ter um desfecho desse, aconteceu enfim, é momento de nós pararmos e avaliarmos, juntarmos material e darmos suporte aos encarregados do inquérito para que a verdade real seja apurada”, destacou o comandante do 2° Batalhão de Áreas Turísticas da BM, Aurélio da Rosa.

Os inquéritos civil e militar devem ser concluídos em até 40 dias. O Ministério Público também acompanha o caso. A Polícia Civil ainda avalia pedir a prisão dos policiais investigados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *