RS registra menor número de homicídios para o mês de julho em nove anos

O Palácio do Piratini divulgou, nesta quinta-feira (08), que o Rio Grande do Sul registrou o menor número de homicídios para o mês de julho dos últimos nove anos. Segundo o monitoramento da Secretaria da Segurança Pública (SSP), o número de vítimas de homicídios no Estado caiu de 171 em 2018, para 139 neste ano — uma diminuição de 18,7%. Os casos de latrocínio (roubo seguido de morte) tiveram queda de 32,8% na soma dos sete meses de 2019, com uma diferença de 19 casos.

O Estado também divulgou os resultados dos 18 municípios priorizados pelo programa transversal RS Seguro. De acordo com os dados, o número de assassinatos nesses locais caiu de 955 para 650 (31,9%). Das 326 mortes que deixaram de ocorrer em todo o RS, 305 foram evitadas nas localidades priorizadas pelo programa.

Em entrevista para a equipe do O Sul, o comandante-geral da Brigada Militar (BM), coronel Mário Yukio Ikeda, atribuiu a redução de homicídios ao forte trabalho realizado pelas forças policiais do RS e pelo programa RS Seguro. “Além disso, formamos uma nova turma de policiais militares, o que representou um reforço no combate à criminalidade”, disse.

O comandante também falou sobre a região do bairro Cascata, na Zona Leste de Porto Alegre, que foi cenário de recente confronto entre BM e criminosos. “Efetuamos prisões nessa área e estamos trabalhando para reduzir o impacto de facções criminosas nessa região”, afirmou.

Feminicídio

Os casos de feminicídios em julho, entretanto, não acompanharam a queda da violência de todo o Estado. Apesar de, nos acumulados entre janeiro e julho, 2019 ter apresentado menos casos de violência contra a mulher do que em 2018, o mês de julho contou com 15 assassinatos de mulheres em razão do gênero, contra oito casos no mesmo período do ano passado. Apesar disso, as ameaças registradas reduziram de 2.868 para 2.533, e os casos de estupro reduziram de 121 para 111. Entre janeiro e julho de 2019, houve 58 feminicídios ante 63 do mesmo período no ano passado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *