Domingo, 03 de julho de 2022

loader

Abastecimento “pingado” e pé mais leve: motoristas adotam estratégias para economizar combustível

Quase uma semana após a entrada em vigor de mais um reajuste da Petrobras no preço dos combustíveis, que desencadeou uma crise política envolvendo a estatal, motoristas se equilibram como podem em diferentes estratégias para continuar abastecendo os veículos e continuar nas ruas e estradas.

Na ponta, no contato mais próximo com o consumidor, frentistas colecionam reclamações constantes por conta do preço da gasolina e do diesel, que aumentaram 5,18% e 14,25%, respectivamente, nas refinarias da Petrobras. A alta já se reflete nas bombas.

Pé mais leve

Uma das táticas que os caminhoneiros adotam para tentar alguma economia é a redução da velocidade média, ainda que isso torne as viagens mais longas. É o que tem feito Antônio Carlos da Silva, de 57 anos.

Com mais de três décadas de estrada, ele desembolsou quase R$ 700 para completar o tanque da carreta, que tem 1.110 litros de capacidade.

“Se acelerar demais, já era. Agora dirijo de 80 km/h para baixo. Numa viagem entre o Rio e Sorriso, no Mato Grosso, por exemplo, eu levava uma média de quatro dias. Agora faço em cinco. É o jeito”, explica.

O peso da alta dos combustíveis é tanto que até para quem não é autônomo, e por isso não tira do bolso o custo do abastecimento do veículo, a economia faz diferença. É o caso do caminhoneiro Henrique de Almeida, de 40 anos, que trabalha há dez anos numa transportadora que atua em todo o Estado do Rio.

Ele conta que os motoristas que conseguem fechar o mês percorrendo uma média de quatro quilômetros por litro de diesel recebem uma bonificação de cerca de R$ 200 no vale-alimentação. O incentivo se tornou uma fatia importante do orçamento da família.

“Se não recebo esse extra, chego no fim do mês sem nada, e aí preciso recorrer ao cartão de crédito para ir ao mercado. Acabo me endividando.”

“Pingado”

Entre os motoristas de automóveis, quem consegue abastecer, opta pelo mínimo. Encher o tanque ficou no passado. Frentista há dez anos, Monique Lopes, de 36 anos, tem observado que, com a gasolina nas alturas, a procura pelo etanol tem sido maior.

“O pessoal não enche mais o tanque. É só pingadinho, R$ 20 ou R$ 30 só para chegar ‘até ali’”, diz.

O abastecimento reduzido foi a opção encontrada por Railane Fraguas, de 30 anos, e o marido, Carlos Moreno, de 39. O casal tem uma gráfica, e o carro é usado para comprar material e entregar encomendas, além de ser usado para levar e buscar no colégio a filha mais velha dos dois, de 10 anos.

Para complementar a renda, Carlos chegou a trabalhar por um tempo como motorista de aplicativo, mas parou quando passou a ter que tirar dinheiro da renda principal da família para bancar a gasolina.

“Abastecemos todo dia numa média de R$ 40. É o que é possível agora”, conta Carlos.

Promoções 

Outra saída tem sido abastecer à noite, quando alguns postos reduzem o preço dos combustíveis em alguns centavos, o que na conta final faz alguma diferença:

“Deixo para abastecer depois das 22h, e consigo uma economia de uns R$ 0,50 no litro”, diz o motorista Phelipe Barros, de 27 anos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Para implantar o vale-diesel o governo avalia decretar estado de emergência
Proposta de pagamento do 14º salário a aposentados e pensionistas do INSS sofre alteração e deve ficar para o ano que vem
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play