Quinta-feira, 02 de dezembro de 2021

loader

Acelerada por reajustes nos combustíveis, a inflação oficial, que acumula mais de 10,5% em 12 meses, leva analistas a prever índice de dois dígitos neste ano e maior alta no juro

A inflação oficial do País acelerou e ficou mais disseminada em outubro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,25%, o maior resultado para o mês desde 2002, segundo os dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A inflação acumulada em 12 meses chegou a 10,67%. A última vez em que o IPCA encerrou o ano acima de dois dígitos foi em 2015, com idênticos 10,67%, na época do governo Dilma Rousseff.

A taxa de outubro foi a mais elevada de 2021, superando até as expectativas mais pessimistas de analistas. A alta provocou uma nova rodada de revisões entre economistas do mercado financeiro, que já projetam um IPCA acima de 10% no encerramento de 2021, ante a meta de 3,75% perseguida pelo Banco Central.

Os dados do IBGE mostram que todos os nove grupos de produtos e serviços subiram, com destaque para os transportes (2,62%), puxados pelo aumento nos combustíveis e nas passagens aéreas. A energia elétrica também voltou a subir, e as famílias ainda gastaram 1,17% a mais com alimentação.

No ano, a alta da gasolina já é de 38,29%. “A gasolina tem impacto no frete, que acaba afetando preços de outros itens”, diz Pedro Kislanov, gerente do Sistema Nacional de Índices de Preços do IBGE.

A LCA Consultores elevou a projeção de inflação de 2021 de 9,70% para 10,0%, o Bank of America, de 9,1% para 10,1%, e o Barclays, de 9,50% para 10,0%.

Além de ajustar as previsões para a inflação de 2021 (de 9,10% para 9,40%) e de 2022 (de 3,90% para 4,40%), a corretora Ativa Investimentos recalculou de 1,5 para 2,0 pontos a alta esperada na taxa básica de juros, a Selic, na reunião do Comitê de Política Monetária de dezembro.

PEC dos Precatórios

No rastro da mudança de humor dos investidores, o novo secretário Especial de Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago, faz uma peregrinação pelo mercado financeiro para defender a PEC dos Precatórios como melhor solução para viabilizar o novo programa social, em vez de uma prorrogação do auxílio emergencial com o novo decreto de calamidade, instrumento considerado frágil juridicamente pela sua equipe e com riscos maiores para 2022.

A descompressão do mercado veio após a aprovação em segundo turno da PEC pela Câmara, que viu na votação uma redução das incertezas do risco fiscal, mesmo diante da sinalização de que na tramitação no Senado a proposta será alterada.

O ponto central para a mudança de humor com a PEC foi que a proposta aprovada não ampliou ainda mais o espaço para gastos nem aumentou o valor do Auxílio Brasil – novo programa social, substituto do Bolsa Família – para R$ 500, R$ 600 como a ala política queria.

Contribuiu para dissipar as dúvidas a apresentação feita por Esteves e o novo secretário do Tesouro, Paulo Valle, com dados mostrando que a PEC abrirá um espaço de R$ 91, 6 bilhões para novos gastos em 2022. O rombo foi dimensionado, e o mercado gosta de previsibilidade, mesmo que as despesas tenham aumentado, relataram interlocutores que participaram dessas conversas e de conferências virtuais.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Apenas 18 municípios brasileiros não tiveram casos confirmados de covid em 2020
Inflação generalizada acima da expectativa pressiona por alta maior da taxa básica de juros
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play