Terça-feira, 21 de maio de 2024

Adiada votação de projeto que pode proibir o casamento gay no Brasil

A Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados adiou nessa terça-feira (5) a votação do projeto de lei que busca proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo no Brasil. A discussão e votação da proposta foi adiada após um pedido de vista, ou seja, mais tempo para analisar o tema, de deputados da base.

Segundo o presidente do colegiado, deputado Fernando Rodolfo (PL-PE), com o pedido de vista, o texto será discutido e votado na reunião do próximo dia 13 de setembro. A expectativa é que, também nesta data, a comissão vote um requerimento para fazer uma audiência pública sobre o assunto.

Projeto

O projeto de lei original foi apresentado em 2007, pelo então deputado federal Clodovil Hernandes, estilista e apresentador de televisão que morreu em 2009.

O projeto do Clodovil pretendia mudar o Código Civil para prever a possibilidade de que duas pessoas do mesmo sexo possam constituir união homoafetiva por meio de contrato em que disponham sobre suas relações patrimoniais.

O relator do texto atual, deputado Pastor Eurico (PL-PE), porém, rejeitou todo o projeto original de Clodovil e adotou outro, de autoria dos ex-deputados Paes de Lira (SP) e Capitão Assumção (ES).

O texto acolhido, por sua vez, afirma que “nos termos constitucionais, nenhuma relação entre pessoas do mesmo sexo pode equiparar-se ao casamento ou a entidade familiar”.

Na justificativa do projeto, os dois deputados afirmaram que “aprovar o casamento homossexual é negar a maneira pela qual todos os homens nascem neste mundo, e, também, é atentar contra a existência da própria espécie humana”.

Na leitura do relatório, Pastor Eurico disse que a Constituição brasileira “mitiga a possibilidade de casamento ou união entre pessoas do mesmo sexo”.

“O casamento é entendido como um pacto que surge da relação conjugal, e que, por isso, não cabe a interferência do poder público, já que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é contrário à verdade do ser humano. O que se pressupõe aqui é que a palavra ‘casamento’ representa uma realidade objetiva e atemporal, que tem como ponto de partida e finalidade a procriação, o que exclui a união entre pessoas do mesmo sexo”, afirmou Eurico.

Sessão

A sessão dessa terça foi tumultuada. Desde o início da reunião, a base governista orientou pela obstrução da discussão, o que fez com que houvesse intenso debate entre os parlamentares.

O deputado Pastor Henrique Vieira (PSOL-RJ) entrou com um requerimento para a realização de audiência pública para debater o projeto de lei, que foi rejeitado por 7 votos a 4.

A votação desse requerimento também foi polêmica, uma vez que o presidente da comissão, deputado Fernando Rodolfo (PL-PE), encerrou a votação assim que atingiu o quórum mínimo de 10 votos, antes da orientação das bancadas dos partidos serem encerradas.

A maior parte da oposição foi contrária à realização da audiência, alegando que o projeto estava engavetado desde 2007 sem que houvesse sido colocado em debate.

Relator

Pastor Eurico já havia dito que acreditava que pessoas do mesmo sexo têm a liberdade de se relacionar como quiserem na vida privada, mas que a relação não deve ser formalizada oficialmente.

Ele disse também que o projeto busca demarcar uma posição do Congresso Nacional quanto ao assunto. Isso porque, em 2011, o Supremo Tribunal Federal (STF) equiparou as relações entre pessoas do mesmo sexo às uniões estáveis entre homens e mulheres.

Deputados conservadores querem marcar presença na comissão e fazer críticas ao STF.

Pastor Eurico escreveu, ao justificar a decisão de apoiar o projeto, que busca proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo que ,“de outro norte, com fins de bloquear o ativismo judicial do Supremo Tribunal Federal, que, em que pese devesse ser o guardião da Constituição, a usurpou na decisão que permitiu a união estável homoafetiva, faz-se necessário aprovar o PL nº 5.167/2009, que estabelece que nenhuma relação entre pessoas do mesmo sexo pode equiparar-se ao casamento ou a entidade familiar, não só por representar a maioria dos brasileiros, mas por retomar o debate ao ponto inicial, de modo que qualquer mudança quanto ao tema seja submetido à vontade legislativa, o único a quem incumbe editar e modificar leis”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Filho de Bolsonaro, Jair Renan levou itens do acervo do ex-presidente
Governo diz que conceder aumento para servidores federais em 2024 seria imprudente
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play