Terça-feira, 16 de julho de 2024

As novas palavras que surgem para definir abuso sexual

“Mano morta” (“mão morta”, em italiano) é um objeto de discussão entre mães e filhas. Grupos de amigas também se queixam sobre ela nas suas conversas e meninas adolescentes são aconselhadas a manter-se vigilantes quando vão à escola.

Mas a mão morta – ou mão-boba, como chamamos em português – não é uma lenda urbana. É uma forma de abuso sexual, mais comumente praticada contra as mulheres. Ela descreve a mão dissimulada que incontáveis mulheres já encontraram tocando partes íntimas do corpo em um ônibus ou trem lotado.

A mão-boba indica precisamente esse comportamento intencional. Mulheres de todo o mundo podem também ter sofrido essa mesma forma de abuso, sem que tivessem uma expressão no seu idioma para designá-la.

Em inglês, três expressões vêm sendo cada vez mais usadas para descrever diferentes formas de abuso: gaslighting, upskirting e love bombing.

Gaslighting é o ato ou a prática de ludibriar alguém grosseiramente, para seu próprio benefício. O termo foi considerado a palavra do ano pelo dicionário Merriam-Webster, depois que as buscas no site do dicionário aumentaram em 1740% em 2022. No TikTok, a hashtag #gaslighting teve 1,9 bilhão de visualizações.

Upskirting designa a prática de fotografar mulheres por debaixo de suas saias ou vestidos, sem consentimento. Já love bombing (literalmente, “bombardeio de amor”) define a tentativa de influenciar ou manipular alguém com excessivas demonstrações de afeto. A hashtag #lovebombing atingiu quase 250 milhões de visualizações no TikTok em 2022.

“Se observarmos quando essas palavras entraram no idioma [inglês] para descrever a experiência das mulheres, em termos de violência sexual ou outras formas de sexismo, foi quando o feminismo tornou-se um grande movimento social”, afirma Alessia Tranchese, professora sênior de comunicação e linguística aplicada da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido. Ela pesquisa como a violência contra a mulher pode ser perpetuada pela linguagem.

Tranchese estuda como novas palavras cunhadas para descrever formas de abuso existentes servem para questionar a violência de gênero.

“Poderíamos dizer que o idioma reflete as relações desiguais entre homens e mulheres e é um lugar onde essas relações podem ser postas em prática e recriadas”, afirma ela.

Downblousing

A linguagem também está sendo usada para captar como as mulheres se sentem cada vez mais inseguras nos espaços públicos, segundo a ex-ministra da Justiça da Irlanda do Norte, Naomi Long. Ela propôs uma nova lei sobre abusos sexuais, que foi aprovada em março.

A lei incluiu uma série de novos termos em inglês. Um deles é downblousing — criado para definir o ato de tirar fotos do decote de alguém visto de cima, sem consentimento.

“É um tipo muito específico de abuso”, segundo Long. “É uma tentativa de humilhar e rebaixar a mulher, causando medo.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Você viu?

Esclerose múltipla: Entenda o procedimento milionário que a atriz Cláudia Rodrigues quer fazer
Após vitória da Copa do Mundo, explode o número de bebês argentinos com nomes de craques
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play