Segunda-feira, 22 de abril de 2024

Asteroide “assassino de planetas” é descoberto. Mas há risco para a Terra?

Um grupo de astrônomos estava buscando novos asteroides de tamanhos modestos, capazes de impactar uma cidade ou animais mais volumosos, quando detectou uma nova potencial ameaça: um asteroide capaz de esterilizar a superfície terrestre. Mas não há necessidade imediata de preocupação – serão muitas gerações até que ele possa representar um perigo para o nosso planeta.

A detecção de rochas espaciais não cartografadas depende da espionagem da luz solar e o reflexo dela em outras superfícies. Mas alguns asteroides ocupam cantos do céu nos quais o brilho do Sol os sufoca, e, como brasas atirando-se em frente a uma fogueira termonuclear, confundem a vista.

No ano passado, na esperança de encontrar asteroides camuflados pela excessiva luz solar, uma equipe internacional de astrônomos agregou aos seus equipamentos uma câmera desenvolvida inicialmente para investigar a elusiva energia negra do Universo. Na segunda-feira, com base em pesquisa primeiro publicada no The Astronomical Journal, os astrônomos anunciaram a descoberta de três novos projéteis afogados em luz.

Um deles, o 2022 AP7, tem cerca de uma milha de comprimento e a sua órbita atravessa o caminho da Terra em torno do Sol, aproximando-se até 4,4 milhões de milhas do nosso planeta – o que é desconfortavelmente perto para padrões cósmicos, embora muito mais do que a distância da Lua. Isto faz de 2022 AP7 “o maior asteroide potencialmente perigoso encontrado nos últimos oito anos”, disse Scott Sheppard, astrônomo do Carnegie Institution for Science, em Washington, e autor do estudo.

Risco distante

Após a descoberta do asteroide em janeiro, outros observatórios passaram a estudar o seu movimento e astrônomos identificaram-no retrospectivamente em imagens mais antigas. Este conjunto de dados deixou claro que ele não irá visitar a Terra durante o próximo século, e talvez por muito mais tempo. “Há uma probabilidade extremamente baixa de impacto num futuro previsível”, disse Tracy Becker, uma cientista planetária do Southwest Research Institute que não esteve envolvida no estudo inicial.

Mas a atração gravitacional de objetos em torno do Sistema Solar – incluindo o nosso próprio planeta –assegura que os asteroides que atravessam a Terra não se movem da mesma maneira para sempre. E o asteroide 2022 AP7 não é exceção. “Com o tempo, este asteroide ficará cada vez mais brilhante no céu, à medida que começa a atravessar a órbita da Terra e fica cada vez mais próximo de onde a Terra realmente está”, disse Sheppard.

É possível que, “nos próximos milhares de anos, ele possa vir a ser um problema para os nossos descendentes”, disse Alan Fitzsimmons, um astrónomo da Queen’s University Belfast que também não esteve envolvido no estudo inicial.

“Assassino de planetas”

E se, na mais azarada das linhas de tempo, 2022 AP7 acabar por ter impacto na Terra? “Isto é o que nós chamamos um asteroide ‘assassino de planetas’”, disse Sheppard. “Se ele atingisse a Terra, causaria a destruição de todo o planeta. Seria muito mau para a vida tal como a conhecemos.”

“O interessante sobre 2022 AP7 é o seu tamanho relativamente grande”, disse Cristina Thomas, uma astrônoma planetária da Universidade do Norte do Arizona não envolvida no estudo inicial. A sua existência sugere que podem haver outros asteroides “elefantinos” velados pelo brilho do Sol e a serem descobertos

Hoje em dia, os astrônomos que procuram asteroides potencialmente perigosos – aqueles que se aproximam pelo menos até 4,6 milhões de milhas da Terra e que são bastante volumosos para serem destruídos sem incidentes pela nossa atmosfera – concentram-se em encontrar rochas com cerca de 460 pés de diâmetro. Existem, muito provavelmente, dezenas de milhares deles, e menos de metade foi identificada.

Tais ameaças motivaram a Nasa e outras agências espaciais a desenvolverem missões de defesa planetárias como a Dart, a nave espacial que ajustou com sucesso a órbita de um pequeno asteroide não ameaçador em setembro.

Desafios na detecção

A maioria dos asteroides que têm dois terços do comprimento de uma milha e são maiores – muito menos comuns, mas capazes de devastação global – já foi encontrada. Mas “sabemos que alguns ainda estão por encontrar”, disse Fitzsimmons. Vários, sem dúvida, andam às escondidas perto de Mercúrio e Vênus. “Mas é incrivelmente difícil descobrir objetos interiores à órbita da Terra com os nossos atuais telescópios de descoberta”, disse Thomas.

Na maior parte do dia, o Sol cega os telescópios e os asteroides só podem ser caçados em poucos minutos por volta do crepúsculo. Para ultrapassar esta limitação, os astrônomos que detectaram o 2022 AP7 apoiaram-se na Câmera de Energia Escura do Telescópio Víctor M. Blanco, de 4 metros, no Chile. Ele não só pode examinar grandes extensões do céu, mas também é suficientemente sensível para encontrar objetos tênues engolidos pela luz solar.

Até agora, a câmera encontrou dois objetos adicionais próximos da Terra: um planeta – de tamanho matador, cuja órbita nunca atravessa a da Terra, mas leva-o mais perto do Sol do que qualquer outro asteroide conhecido, flambando a sua superfície a temperaturas suficientemente extremas para liquefazer o chumbo – e uma rocha de tamanho menor, capaz de destruir um país, que não representa riscos.

As capacidades da pesquisa crepuscular acabarão por ser eclipsadas pela Missão Near-Earth Object Surveyor, da Nasa. Lançado no final desta década, este observatório infravermelho em órbita da Terra vai olhar fixamente para o brilho do Sol e encontrará a maior parte dos asteroides perigosos que não foram achados em outras tentativas.

“Queremos fazer tudo o que for possível para não nos surpreendermos”, disse Thomas. É por isso que estes levantamentos existem: para encontrar asteroides que podem impactar a Terra com muitos anos de antecedência, de modo a que, por meio de estímulos energéticos ou explosões nucleares, possamos enviar estes monstros de volta para as sombras.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Foguete chinês desgovernado entra na atmosfera e cai no Pacífico
Slogan do governo de transição de Lula deve ser “Brasil do Futuro”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play