Segunda-feira, 04 de julho de 2022

loader

Brasil quer cobrar 100 bilhões de dólares de países ricos em evento do clima

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, afirmou que, em sua participação na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP-26), no próximo mês, na Escócia, o governo brasileiro vai cobrar ajuda financeira dos países desenvolvidos para a proteção dos recursos naturais.

“Foram prometidos US$ 100 bilhões, que ainda não foram cumpridos. Precisam ser mais ambiciosos do que esses US$ 100 bilhões. O desafio de uma economia verde é maior que US$ 100 bilhões”, disse o ministro. “O que nós vamos fazer é posicionar o Brasil como um país que está no acordo do clima, que tem uma meta ambiciosa de 43% de reduções até 2030 (em relação aos índices de 2005) e de neutralidade até 2050”, afirmou.

O discurso repete os conceitos apresentados em eventos internacionais por Ricardo Salles, seu antecessor. Salles deixou o ministério em junho, durante investigações da Polícia Federal sobre suposta facilitação de esquemas ilegais de exportação de madeira.

O governo brasileiro decidiu levar uma fatura para o principal evento do planeta na área ambiental. O novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, falou publicamente sobre o tema pela primeira vez e deixou claro qual será a tom da comitiva oficial que embarcará em novembro para a Escócia, para participar da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP-26): a cobrança de recursos.

Munida de dados controversos sobre a real situação do desmatamento e das queimadas no Brasil, problemas que têm atingido níveis recordes no atual governo, a delegação brasileira pretende apresentar a imagem de um País que conserva, mais do que nunca, os seus bens naturais, mas que, para continuar assim, é preciso que seja remunerado para isso.

Na cabeça de Joaquim Leite está a cifra de US$ 100 bilhões, que foi estabelecida durante o Acordo de Paris, firmado em 2015, para que países desenvolvidos financiassem projetos energéticos em países em desenvolvimento, com o objetivo de aplacar o aquecimento do planeta nos próximos anos.

No Brasil, porém, o assunto praticamente não avançou, pela lentidão do País em estabelecer regras claras e objetivas que promovam o chamado “mercado de carbono”, onde empresas e países de fora que poluem mais podem financiar a preservação e ampliação de florestas naqueles que as mantêm, como uma forma de compensação pelos danos causados.

As palavras de Leite podem ser menos agressivas, mas repetem a cartilha que já foi lida em encontros internacionais pelo ex-ministro Ricardo Salles, que condicionava a proteção da Amazônia e do meio ambiente aos financiamentos de outros países.

Em abril deste ano, quando ainda não tinha caído do comando do MMA com as investigações da Polícia Federal ligadas a uma suposta facilitação de esquemas ilegais de exportação de madeira, Ricardo Salles chegou a cobrar US$ 1 bilhão do presidente americano Joe Biden para enfrentar os crimes na floresta. Biden, de fato, chegou a dizer, durante a sua campanha, que repassaria US$ 20 bilhões ao Brasil.

Posicionamento

Agora, Joaquim Leite prefere não falar em cifras. “O que nós vamos fazer é posicionar o Brasil como um País que está no acordo do clima, que tem uma meta ambiciosa de 43% de reduções até 2030 (em relação aos índices de 2005) e de neutralidade até 2050. O volume de recursos vai depender das negociações por lá. Esperamos que sejam efetivos, desburocratizados e cheguem ao chão para criar essa economia verde”, disse.

A primeira meta de redução climática foi definida ainda no governo da ex-presidente Dilma Rousseff e previa a meta de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% até 2025 e em 43% até 2030, tendo como base as emissões de 2005.

Há apreensão sobre o desfecho da atuação brasileira no encontro. A postura negacionista de Bolsonaro com relação ao meio ambiente – marcada pelo desmonte dos órgãos ambientais e de pesquisa, redução de fiscalizações e manipulação de dados – tende a colocar o País sobre forte pressão.

Se de um lado fala-se em isolar o Brasil durante as negociações entre os países, por outro sabe-se da relevância extrema que a preservação da Amazônia tem para que as metas sejam alcançadas. Em dezembro de 2019, o governo brasileiro também passou o chapéu na COP 25, ocorrida em Madri, depois de Bolsonaro ter rejeitado a realização do evento em Salvador, na Bahia.

O próprio ministro Ricardo Salles recorreu às redes sociais para, depois de participar do encontro, dizer que a “COP 25 não deu em nada”.

Ajuste de fronteira

O ministro Joaquim Leite disse que o governo brasileiro não vai aceitar eventuais imposições que possam ser feitas a partir do chamado “Mecanismo de Ajuste de Carbono na Fronteira”, em análise por países da União Europeia e Estados Unidos. Basicamente, a ideia seria estabelecer um preço de carbono para importações realizadas por países menos ambiciosos na agenda climática.

A medida é vista como uma forma de acelerar a neutralidade climática até 2050 – quando as emissões teriam o mesmo volume que sua absorção pelo meio ambiente. O governo Bolsonaro, porém, vê riscos de a medida atrapalhar as exportações.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ferrovias no País poderão ser construídas pela iniciativa privada sem necessidade de licitação
Governo dos Estados Unidos avalia criação do “cripto dólar”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play