Sábado, 13 de julho de 2024

Brasil tem mais de 1 milhão de pessoas com Alzheimer, segundo o Ministério da Saúde

Um tratamento oral experimental para a doença de Alzheimer conseguiu reverter os danos às sinapses cerebrais e proteger os neurônios em um modelo de camundongo, não causando efeitos colaterais em roedores ou macacos. Se melhorado e testado, esse composto, desenvolvido por cientistas da Universidade de Yale, pode se tornar um tratamento para a doença, que ainda não tem cura. Os resultados do estudo foram publicados na revista Science Translational Medicine.

Alzheimer, a forma mais comum de demência, é uma patologia complexa e multifatorial que geralmente aparece após os 65 anos de idade e tem um forte componente genético. Acredita-se que na maioria é causada pela interação de fatores genéticos e meio ambiente. Embora o cenário de tratamento permaneça sombrio para pacientes de Alzheimer, os cientistas progrediram na compreensão de alguns dos fatores genéticos e moleculares da doença. Sabe-se que duas das principais características são o acúmulo de proteínas TAU tóxicas e a destruição gradual das sinapses (conexões) do neurônios, que são a base para as atividades do cérebro.

A pesquisa mostrou que as micróglias, células do complexo imunológico do sistema nervoso, podem trair o cérebro desencadeando a perda de sinapse. Mas por que isso acontece ainda não está claro.

No estudo, Joshua Spurrier e sua equipe em Yale avaliaram o composto experimental BMS-984923, buscando um receptor chamado mGluR5, que tem sido associado à perda sináptica. Graças à ressonância magnética e à tomografia, os pesquisadores observaram pela primeira vez que o composto agiu efetivamente nos receptores mGluR5 nos cérebros de macacos e camundongos testados sem efeitos adversos. Em modelos de camundongos da doença de Alzheimer, o tratamento restaurou a densidade das sinapses e impediu que elas fossem marcadas pela proteína C1Q, o que impediu que fossem engolidas pela micróglia.

Os autores também observaram que os benefícios do BMS-984923 para sinapses durou até um mês após o tratamento, o que pode sugerir que o composto deve continuar a ser examinado em estudos de acompanhamento.

Diagnóstico

No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença de Alzheimer, segundo dados do Ministério da Saúde. O diagnóstico envolve uma série de exames, mas médicos explicam que a constatação não é inacessível à maioria dos pacientes e exames adicionais, além dos clínicos, só são necessário quando há dúvidas ou se há um desejo do paciente ou da família dele de ter uma confirmação por outro método.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Varíola do macaco: saiba o que ainda é um mistério para a ciência
Morre o engenheiro que permitiu fazer música com computadores
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play