Sábado, 22 de junho de 2024

Canadá expulsa diplomata chinês acusado de orquestrar campanha contra críticos de Pequim

O governo do Canadá expulsou do país, nesta segunda-feira (8), o diplomata chinês Zhao Wei, acusado de orquestrar uma campanha para intimidar um deputado canadense que criticava a China. “Não vamos tolerar interferência em assuntos internos”, disse a chanceler canadense, Melanie Joly.

A relação entre Canadá e China vai de mal a pior. Mais cedo, enquanto Joly mandava o diplomata chinês de volta para Pequim, a ministra da Defesa, Anita Anand, disse que o país está interessado em cooperar com a aliança militar de Austrália, Reino Unido e EUA, conhecida como Aukus – uma coalizão montada no Pacífico com objetivo explícito de conter a China.

Segundo jornal Globe and Mail, o Canadá estava fazendo esforços para se juntar ao grupo para não ficar de fora do compartilhamento de inteligência e tecnologia entre seus aliados históricos. A chancelaria, segundo o jornal, estaria trabalhando intensamente para aderir ao Aukus, aumentando as suspeitas de as ações de ontem tenham sido coordenadas.

”O Canadá está altamente interessado em promover a cooperação em temas como inteligência artificial, computação quântica e outras tecnologias avançadas de defesa com nossos aliados mais próximos”, disse Anand.

O acordo Aukus é considerado um esforço de americanos, britânicos e australianos para construir uma presença maior na região do Indo-Pacífico. O pacto militar incluiu um acordo para fornecer submarinos movidos a energia nuclear para a Austrália.

A China reagiu ao acordo e acusou os três países de embarcarem em um “caminho perigoso”. “Isso é típico de uma mentalidade da Guerra Fria e provocará uma corrida armamentista”, disse recentemente o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin.

A exclusão do Canadá da aliança foi vista como uma espécie de desprezo e o primeiro-ministro, Justin Trudeau, enfrentou fortes críticas domésticas. Membros do Partido Conservador, de oposição, sugeriram que o premiê “não era levado a sério” pelos principais aliados do Canadá.

A crise entre China e Canadá vem se agravando desde a prisão de Meng Wanzhou, executiva da Huawei, em 2018, por ordem dos EUA, e a detenção de dois canadenses por Pequim em aparente retaliação – todos foram libertados após negociações em 2019.

No ano passado, a polícia canadense A polícia do Canadá prendeu um cientista chinês da Hydro-Quebec, a maior empresa de eletricidade do país, sob acusação de espionagem.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Ministro Nunes Marques é o relator da ação da Advocacia-Geral da União que questiona pontos da privatização da Eletrobras
Ex-ministro da Justiça preso em Brasília presta novo depoimento à Polícia Federal: saiba os principais pontos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play