Sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

China anuncia novas manobras militares em repúdio a visita de parlamentares dos Estados Unidos a Taiwan

A China anunciou nessa segunda-feira (15) novas manobras militares ao redor de Taiwan em repúdio à visita de cinco parlamentares dos Estados Unidos à ilha, vista por Pequim como parte indissociável do seu território. A viagem ocorre 12 dias após a ida da presidente da Câmara dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, e cinco dias após as maiores manobras militares já feitas por Pequim na região, acirrando a já frágil relação sino-americana.

As patrulhas e exercícios conduzidos “no espaço aéreo e marítimo ao redor de Taiwan” são uma “resposta resoluta e uma firme dissuasão ao conluio entre os EUA e Taiwan”, disse o porta-voz do Ministério de Defesa chinês, Wu Quian. Segundo ele, o Exército do país “continua treinando e se preparando para a guerra” e “esmagando com determinação qualquer forma de separatismo”.

“Em 15 de agosto, o Comando Leste do Exército de Libertação Popular da China organizou uma patrulha de preparação para o combate conjunto de serviços múltiplos e exercícios de combate no mar e no espaço aéreo ao redor de Taiwan”, afirma um comunicado militar chinês, sem especificar se ou por quanto tempo as manobras vão se prolongar.

De acordo com o Ministro de Defesa taiwanês, foram detectados 30 aviões e cinco navios de guerra ao redor da ilha apenas nesta segunda-feira. Entre a última quinta e domingo, foram detectadas 96 aeronaves.

Comandados pelo senador democrata Ed Markey, os parlamentares — também fazem parte da delegação os deputados democratas John Garamendi, Alan Lowenthal e Don Beyer, além da deputada republicana Aumua Amata Coleman Radewagen — desembarcaram no domingo e devem passar dois dias em Taipé. Nesta segunda, encontraram-se com a presidente Tsai Ing-wen e com o chanceler Joseph Wu.

“A China autoritária não pode ditar como a Taiwan democrática faz amigos, ganha apoio, permanece resiliente e brilha como um farol de liberdade”, tuitou o ministro.

A visita tem como principais temas o comércio, a segurança regional e a mudança climática, segundo o escritório cultural dos EUA em Taipé, que funciona como uma embaixada de fato, já que Washington, como a grande maioria dos países, não tem relações diplomáticas com a ilha. Tiveram também reuniões sobre semicondutores, fundamentais para a produção de equipamentos de alta tecnologia, e que são chave nas tensões sino-americanas dos últimos anos.

Em um comunicado, representantes de Markey anunciaram que a delegação almeja reafirmar o apoio americano e “encorajar a estabilidade e paz pelo Estreito de Taiwan”. O Gabinete presidencial, por sua vez, disse esperar que ambos os lados esperam firmar um acordo para facilitar investimentos da indústria taiwanesa de semicondutores, líder global, nos EUA.

A visita dos cinco parlamentares não havia sido anunciada com antecedência, apesar de fontes afirmarem ao The New York Times que já estava marcada havia meses e que outras são iminentes — uma outra delegação deve desembarcar no fim deste mês. As viagens não são raras e sempre foram mal vistas por Pequim, mas o timing atual foi mal-recebido por Pequim.

Nancy Pelosi foi a integrante de mais alto escalão do governo americano a visitar Taipé desde 1997, quando um de seus antecessores, o republicano Newt Gingrich, fez o mesmo trajeto. Ele, no entanto, fazia oposição ao então presidente Bill Clinton. A atual presidente da Câmara e Joe Biden, por sua vez, são correligionários — e, portanto, a viagem da deputada californiana foi entendida por Pequim como uma provocação da Casa Branca.

Em repúdio à viagem de Nancy, a China realizou por cinco dias suas maiores manobras militares já realizadas ao redor da ilha — em ao menos três deles, com munição real. Pequim anunciou no último dia 10 que os exercícios haviam chegado ao fim, mas foram bem-sucedidos em “obliterar” a linha mediana que divide informalmente o Estreito. As patrulhas na região, afirmaram também, vão continuar.

Ao contrário do que fizeram no início do mês ao usarem munição real, Pequim não emitiu alertas para restringir o tráfego naval ou aéreo na região — o que provavelmente indica que os exercícios desta segunda não usaram os artefatos. A visita dos cinco deputados e senadores, ainda assim, envia “o sinal errado para as forças separatistas ‘pela independência de Taiwan””, disse o Ministério da Defesa chinês.

“A China vai tomar medidas fortes e resolutas para defender sua soberania nacional e integridade territorial”, disse Wang Wenbin, porta-voz da Chancelaria.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan elogiou a visita como um novo sinal de amizade entre Taipé e Washington, “que não tem medo das ameaças e da intimidação da China”. O governo taiwanês acusa Pequim de usar a visita de Nancy como desculpa para executar os exercícios, que seriam, na visão de Taipé, uma tentativa de mudar o status quo e um treinamento para a invasão da ilha.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

“É fundamental ir atrás do dinheiro de Putin”, diz investidor expulso da Rússia
Três alpinistas morrem ao cair de encosta de vulcão no Equador
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play