Domingo, 05 de dezembro de 2021

loader

Cirurgia bariátrica traz benefícios para o coração e o fígado

Um novo estudo relata que a cirurgia bariátrica, além de ajudar na perda de peso, pode proteger o fígado. O trabalho avaliou um grupo de mais de 1.100 pacientes que tinham uma forma agressiva de doença hepática gordurosa e que passaram pela cirurgia bariátrica. O resultado foi, além da perda de peso, os participantes reduziram o risco de gordura no fígado em quase 90%.

Apenas cinco dos 650 pacientes que passaram pela cirurgia bariátrica desenvolveram posteriormente um dos problemas, em comparação com 40 dos 508 pacientes que não fizeram o procedimento.

Os pacientes diagnosticados também apresentavam risco menor de doenças cardiovasculares. Eles tinham 70% menos probabilidade de sofrer de derrame ou insuficiência cardíaca ou morte de doença cardíaca, de acordo com o estudo publicado no JAMA.

O Dr. Ali Aminian, diretor do Instituto Bariátrico e Metabólico da Clínica Cleveland e principal autor do estudo, disse que o impacto foi causado sobretudo pela drástica perda de peso.

“A obesidade é o principal fator do fígado gorduroso. O excesso de gordura deflagra inflamação, o que leva à cirrose. Quando um paciente perde peso, a gordura sai de todos os lugares, inclusive do fígado; a inflamação relacionada e parte do tecido cicatricial pode se reverter e melhorar”, diz Aminian.

Os resultados foram notáveis, disse o Dr. Steven Nissen, diretor acadêmico do Coração e Instituto Vascular da Clínica Cleveland e autor sênior do estudo.

“O resultado da doença pós-cirúrgica foi o mais baixo que vi em 30 anos de estudos, uma redução de 88% na progressão para doença hepática avançada”, disse ele.

O estudo observacional analisou casos na Clínica Cleveland ao longo de 12 anos. Os pesquisadores não identificaram exatamente a relação causal na diminuição dos riscos de doenças graves do fígado ou do coração nos procedimentos da perda de peso, mas consolidaram a certeza de que a cirurgia bariátrica pode fornecer benefícios à saúde além da perda de peso. Cerca de 100 milhões de adultos americanos são ultra obesos e cerca de 250 mil deles se submetem às operações bariátricas a cada ano.

Os riscos da operação

A cirurgia acarreta sérios riscos, no entanto. Sessenta e dois dos 650 pacientes de cirurgia para perda de peso no grupo de estudo desenvolveram complicações graves após a operação, e quatro deles morreram dentro de um ano após a operação.

Uma das técnicas mais comumente realizado na cirurgia bariátrica é denominado gastrectomia vertical (redução do estômago). Mas o mais utilizado é o chamado cirurgia de bypass gástrico em Y-de-Roux (uma grande parte do estômago é retirada e depois ligada ao início do intestino à porção restante do estômago).

Mais de 40% dos adultos americanos lutam contra a obesidade. Cerca de 75% têm doença hepática gordurosa não-alcoólica, que costuma ser uma condição silenciosa, sem sintomas muito claros. Mas um em cada quatro ou cinco desenvolverá uma forma agressiva da doença chamada esteatose hepática não alcoólica, ou NASH, que causa fibrose do fígado, podendo levar ao transplante do órgão.

Não existem medicamentos ou terapias aprovadas disponíveis para a doença hepática gordurosa não-alcoólica. Os médicos geralmente aconselham os pacientes a perder peso e mudar para uma dieta mais saudável em um esforço para reduzir a gordura, inflamação e fibrose sem fígado, um órgão vital que transforma alimentos e bebidas em nutrientes e filtra substâncias nocivas do sangue.

Pacientes obesos que se submetem à cirurgia bariátrica geralmente perdem até 25% do peso corporal, muito mais do que pacientes que fazem dieta para perder peso. Após a cirurgia, eles passam a precisar de menos medicações para manter doenças como diabetes tipo 2, pressão alta e colesterol sob controle.

O novo estudo é importante, mas não é definitivo. Foi um estudo observacional retrospectivo que comparou os resultados a longo prazo de 650 pacientes de cirurgia bariátrica com 508 pacientes semelhantes que não foram submetidos à cirurgia. Como tal, não foi um ensaio clínico randomizado do tipo considerado o ouro em medicina, que distribui aleatoriamente pacientes com características semelhantes a um braço de intervenção ou um placebo.

Vários dos 16 autores do artigo são consultores ou receberam financiamentos de empresas que fabricam dispositivos usados em cirurgias para perda de peso. O Dr. Aminian e o Dr. Nissen recebem financiamento da Medtronic, a maior empresa de dispositivos médicos do mundo, e o Dr. Nissen também recebe financiamento da Ethicon, um fabricante de dispositivos médicos e instrumentos cirúrgicos. Eles não receberam financiamento externo para este estudo, no entanto.

Uma preocupação em estudos como esses é que os pacientes que optam pela cirurgia para perda de peso podem ser inerentemente diferentes daqueles que não optam. Eles podem estar mais motivados e possuem cobertura de saúde ou meios para custear os procedimentos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Entenda quem deve ser beneficiado com a herança milionária de Marília Mendonça
Pintura de Frida Kahlo é arrematada por US$ 35 milhões e se torna mais valiosa obra latino-americana vendida em leilão
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play