Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Com 15 anos de existência, o Google Street View virou uma espécie de memorial involuntário para amigos e parentes de pessoas que já morreram

Sempre que percorre uma das ruas que costuma frequentar, Yasmim Ribeiro, 19 anos, encontra com a mãe em frente ao portão do colégio em que trabalhava, na cidade de São Paulo. A calçada e as roupas são sempre as mesmas, mas algo mudou nos últimos meses. As caminhadas deixaram de ocorrer no mundo offline e passaram a ser virtuais, dentro do Google Street View. Dona Jakeline, mãe de Yasmin, morreu em março, mas sua presença ficou registrada em uma imagem da ferramenta do Google.

Quando quer reencontrar a mãe em uma cena totalmente cotidiana, Yasmin acessa o serviço – e não está sozinha. Com 15 anos de existência, o Google Street View virou uma espécie de memorial involuntário para amigos e parentes de pessoas que já morreram.

A principal função do serviço, é claro, não é ser um álbum de fotos. A ferramenta, que arquiva imagens 360º de ruas em todo o mundo, é uma velha aliada na hora de programar viagens e orientar trajetos. Com várias tecnologias desenvolvidas nos últimos anos, a integração com informações de transporte público e trânsito, por exemplo, fazem do site um sucesso da gigante das buscas.

Mas a procura por rostos conhecidos nas ruas do mapa sempre existiu – seja para dar risada de registros inusitados ou sentir-se vaidoso por ter sido captado pelas lentes da empresa. Com o tempo, porém, os usuários perceberam que a ferramenta passou a eternizar aqueles que já partiram.

Recentemente, um tuíte viralizou ao mostrar como um homem encontra a mãe no serviço do Google. Na publicação, que já tem mais de 10 mil compartilhamentos e quase 307 mil curtidas, Cris Silva conta sobre a perda da mãe e de como encontrou a foto no site.

“Quando eu tô com muita saudade, eu abro o Google Maps e vejo essa foto dela me esperando chegar. Que você tenha um feliz Dia das Mães aí no céu, saudades demais”, escreveu no Twitter.

Recursos

Criado em 2007, o Street View exige um processo minucioso de registro. Para oferecer as visões de diversas partes do globo, a equipe já percorreu 16 milhões de quilômetros em cerca de 100 países. No total, a equipe produziu mais de 200 bilhões de imagens.

Recentemente, a gigante anunciou novas funções e formas de captar as imagens. Entre as novidades estão uma nova câmera, mais leve e adaptável a diferentes tipos de veículos, e novas visualizações imersivas, como a visão da parte de dentro de estabelecimentos e projeções 3D em tempo real de placas, avisos e instruções para acessar pontos turísticos, por exemplo.

Importância

De acordo com Maria Julia Kovács, professora do laboratório de estudos sobre a morte da Universidade de São Paulo (USP), o encontro de fotos como as contidas no Street View é parte de um processo para manter vivo um laço com quem já se foi.

“Os registros podem ser importantes porque podem ajudar a memória e lembranças que são importantes para o processo de luto. Guardar isso é garantir que (o laço com a pessoa perdida) não se deteriore”, explica.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Tecnologia

Yasmin Brunet luta na Justiça contra marca de roupas
Nasa tem planos de encontrar alienígenas subaquáticos em outros planetas com robôs de natação
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play