Domingo, 21 de abril de 2024

Com atraso, vacina contra covid para crianças de 6 meses a 3 anos incompletos chega aos Estados na semana que vem

As vacinas contra covid para crianças de 6 meses a 3 anos incompletos serão distribuídas aos Estados a partir da semana que vem, de acordo com informação do Ministério da Saúde. Apesar de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter dado o aval ao procedimento há cerca de 45 dias, o início da aplicação foi atrasado pela falta da versão pediátrica da Pfizer – único imunizante aprovado para essa faixa etária no País.

Não foram detalhadas a respectiva cota de ampolas para cada unidade federativa. O governo brasileiro recebeu a primeira remessa (1 milhão de doses) do fármaco no final de outubro. Desde então, a pasta da saúde publicou nota técnica liberando a aplicação e listando os cuidados a serem tomados na campanha.

A recomendação inicial é de que a vacina seja destinada apenas para crianças com comorbidade, restrição que gerou críticas por parte de especialistas em saúde. Confira algumas das diretrizes a serem adotadas para o público infantil, conforme cada subdivisão etária:

– Pfizer é recomendada entre 6 meses e 3 anos incompletos (2 anos, 11 meses e 29 dias), desde que o pequeno cidadão tenha doença crônica;

– Para quem não apresenta comorbidade a inclusão na campanha será avaliada após a aprovação pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). Ainda não há uma previsão de data.

– Uma das diferenças em relação aos demais públicos é que na faixa de 6 meses a 3 anos incompletos o imunizante é administrado em três etapas. Para os demais fármacos, são duas injeções ou apenas uma (Janssen), embora esta última não esteja disponível para menores de 12 anos.

– Coronavac é recomendada para crianças com 3 ou 4 anos;

– Ambos os imunizantes podem ser aplicados a partir dos 5 anos.

Demanda

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo informou que requisitou 615 mil doses do imunizante da Pfizer ao Ministério da Saúde e que aguarda o envio pelo governo federal para definição do início da vacinação de crianças entre 6 meses e 2 anos.

Um integrante da pasta informou ao Estadão que um primeiro pedido foi enviado na última semana e outro, mais recente, nos últimos dias. Mas ainda não houve uma comunicação formal do ministério sobre quando exatamente as doses serão entregues ao Estado ou quantas serão.

A população de crianças de 6 meses a 2 anos em São Paulo é de 1.379.736. Com o quantitativo solicitado, de 615 mil doses, o governo estima que as crianças nessa faixa etária com pelo menos uma comorbidade – cerca de 195 mil – podem ser vacinadas com as três doses recomendadas.

No entendimento do governo paulista, todas as crianças de 6 meses a 2 anos deveriam ser imunizadas. Porém, como não deve haver vacinas suficientes neste primeiro momento, o Estado segue a recomendação do Ministério da Saúde de priorizar quem possui comorbidade.

Atualmente, a campanha de vacinação contra covid-19 no Estado de São Paulo já contempla todas as crianças de 3 e 4 anos de idade. A imunização avançou nessa faixa etária, informou o governo estadual, devido à doação de 2 milhões de doses da vacina Coronavac realizada pelo Instituto Butantan, em setembro deste ano.

Questionamentos

A estratégia de destinar as doses apenas para crianças com comorbidades foi alvo de críticas por especialistas. Em nota conjunta, as sociedades Brasileira de Pediatria (SBP) e de Imunizações (SBIm) “endossam a recomendação da Câmara Técnica Assessora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) da imediata incorporação da vacina Comirnaty (Pfizer) para todas as crianças brasileiras de 6 meses a 4 anos”.

Anda conforme as entidades, “a nota técnica do Ministério da Saúde não atende a recomendação da câmara técnica, portanto fomos surpreendidos pela publicação”.

O médico Renato Kfouri, diretor da SBIm e um dos consultores na tomada de decisões do governo federal quanto à imunização, avalia que a restrição atrapalha a vacinação nos municípios, que nem sempre conseguem identificar quem são as crianças com comorbidades: “Não sabemos esses denominadores para cálculo dessas coberturas. A recomendação é de vacinação universal”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Slogan do governo de transição de Lula deve ser “Brasil do Futuro”
Testes de laboratório indicam novo aumento na incidência de testes positivos de covid no Brasil
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play