Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Como a vacina da Covid-19 pode alterar a menstruação?

Mais de 5 bilhões de pessoas no mundo receberam a vacina contra a Covid-19. Picada a picada, o sucesso que essas injeções previam em ensaios clínicos rapidamente caiu nas ruas: de acordo com um estudo publicado na revista científica The Lancet, graças a elas, cerca de 20 milhões de vidas já foram salvas.

O preço a pagar, na grande maioria dos casos, foram efeitos colaterais leves, como dores de cabeça ou mal-estar geral, embora alguns além dos previstos em estudos anteriores ainda estejam sendo investigados. Entre as mulheres, por exemplo, persiste a polêmica sobre o impacto (ou não) no ciclo menstrual, com dados e experiências às vezes contraditórias nas ruas que não foram vistas – ou nem mesmo perguntadas – em ensaios clínicos.

Nesta linha, uma pesquisa com quase 40 mil pessoas publicada na Science Advances lança um pouco mais de luz sobre o impacto na menstruação: 42% das entrevistadas com ciclos menstruais regulares relataram sangramento mais intenso após a aplicação. Isso não significa que seja a causa, mas desenha “uma tendência”, apontam os pesquisadores, que servirá para informar melhor as mulheres, embora esse fenômeno seja temporário e não preocupante, apontam. As vacinas permanecem seguras e recomendadas.

Foi sua própria experiência pessoal que abriu as portas para Katharine Lee, professora do Departamento de Antropologia da Universidade de Tulanem, estudar o eventual impacto da vacinação na menstruação. Ela e Kathryn Clancy, antropóloga da Universidade de Illinois, ambas coautoras do estudo, sofreram de menstruação “instável” após receberem a vacina, mas quando elas foram procurar por que isso estava acontecendo, encontraram poucas informações, Lee explica por e-mail.

“Depois de ver quantas pessoas estavam compartilhando histórias semelhantes, queríamos coletar dados para dar às pessoas um caminho para serem ouvidas e caracterizar quais tendências pode haver nos dados para poder desenvolver hipóteses sobre o que pode estar acontecendo”, afirma.

E eles lançaram uma pesquisa nas mídias sociais, blogs científicos e artigos de jornais para recrutar participantes.

No total, 39.129 pessoas – 90% identificadas apenas como mulheres e 9% como de gênero diverso – participaram da pesquisa. E as respostas mostraram que 42% das pessoas com menstruação regular relataram aumento do sangramento menstrual após a vacinação, enquanto outros 44% não encontraram alteração no padrão de sangramento. Pesquisas sugerem, no entanto, que há grupos mais propensos a apresentar sangramento mais intenso após a vacinação, como brancos, hispânicos ou latinos, mais velhos, que estiveram grávidas no passado ou têm distúrbios menstruais subjacentes, como endometriose ou síndrome dos ovários policísticos, entre outras variáveis.

A pesquisa também revela que, entre as não menstruadas, 71% das que tomam anticoncepcionais que suprimem a ovulação, dois terços das mulheres na pós-menopausa e mais de um terço das que tomam hormônios de afirmação de gênero também tiveram sangramento.

Os pesquisadores ressaltam que esses achados servem para mostrar uma “tendência”, mas, como são estudos observacionais, a causalidade do aumento do sangramento com a vacinação não pode ser confirmada, nem a prevalência do levantamento pode ser extrapolada para a população em geral.

“É quase certo que há um viés de seleção em nossa amostra, o que significa que as pessoas que participaram provavelmente tiveram maior probabilidade de ter uma mudança menstrual do que a população em geral”, admite Lee.

Mas, por sua vez, defende a metodologia e sua credibilidade, mesmo que se trate de percepções subjetivas dos participantes.

“A ciência tem que começar em algum lugar, e a observação sistemática e o registro de informações são passos incrivelmente importantes. É um erro supor que as observações das pessoas sobre seus próprios corpos estão erradas, e é desrespeitoso começar de um lugar onde as pessoas não são acreditadas. As pesquisas são maneiras incrivelmente importantes de entender as experiências das pessoas e sustentam muitas pesquisas médicas e clínicas”, ela ressalta.

Nem raro nem perigoso

De qualquer forma, os pesquisadores alertam:

“As mudanças no sangramento menstrual não são incomuns ou perigosas”.

Na verdade, essas alterações na menstruação já foram relatadas em estudos antigos associados à injeção da vacina contra febre tifoide, hepatite B ou papilomavírus humano, lembra a pesquisa de Lee. Além disso, os desequilíbrios descritos em sua pesquisa geralmente são temporários e duram alguns ciclos.

“O que estamos falando aqui é uma mudança temporária na menstruação, não um distúrbio menstrual. Um distúrbio menstrual geralmente é uma patologia, como endometriose ou miomas, e a vacina não causa isso. O que pode causar em algumas pessoas, mas não em todas, é uma interrupção temporária no ciclo normal”, qualifica.

Sobre se esses resultados podem servir como munição para movimentos antivacinas, Lee é franca:

“Não estamos preocupados com esse fenômeno e somos a favor da vacina”.

E se uma mulher não vacinada a procurasse para perguntar o que fazer, a antropóloga também não hesita:

“É muito mais provável que você tenha efeitos prolongados no seu ciclo se contrair covid e parece que muitas pessoas com covid persistente também têm alterações menstruais prolongadas. Acho que as pessoas conseguem entender a diferença entre um efeito secundário, como febre, cansaço, dor de cabeça após a vacinação, de algo que afeta a segurança. Alguns períodos irregulares devem ser entendidos como um efeito colateral de uma vacina, e assim como você pode tomar paracetamol se tiver febre e dor de cabeça após uma vacina”, defende.

O estudo de Lee concorda com o que se vê nas consultas, destaca Santiago Palacios, porta-voz da Sociedade Espanhola de Ginecologia e Obstetrícia.

“A experiência que todos estávamos vendo é que é verdade que a menstruação está alterada. Do ponto de vista médico não é alarmante e não damos relevância, mas gera preocupação na paciente e sua qualidade de vida é afetada. A importância desse estudo é que são 40 mil pessoas e elas vêm para endossar o que era conhecido”, afirma.

Cristina González Cea, ginecologista do Hospital de Santiago de Compostela, vê “uma relação causal muito clara entre vacinas e infecção por covid com estes distúrbios menstruais”:

“Em janeiro, após a injeção das terceiras doses, vimos uma enxurrada de pacientes em consultas com esses fenômenos de sangramento abundante ou ausência de períodos”.

Para Silvia Agramunt, ginecologista do Hospital del Mar de Barcelona, ​​destaca que é um estudo útil para poder informar antes de se vacinar, para que possam avaliar, mas não é um impedimento.

“Se chegasse a mim uma paciente não vacinada, eu simplesmente explicaria a ela que, assim como você pode ter febre, isso pode acontecer, mas, por enquanto, não há dados que digam que pode ter longa duração. impacto a prazo”, acrescenta a especialista, que admite que as alterações menstruais após a vacinação é um tema muito falado.

Os pesquisadores enfatizam que, por enquanto, não foram observados efeitos sobre a fertilidade e descartam as vozes maliciosas que associam os desequilíbrios menstruais ao risco de infertilidade.

“Enfatizamos que as mudanças no sangramento menstrual dessa natureza geralmente não são indicativas de mudanças na fertilidade”, dizem os pesquisadores do estudo.

Para Agramunt, os desequilíbrios são mais como o efeito “da pílula do dia seguinte, que também gera desregulação e tem impacto, mas temporário”.

Fenômeno controverso

O estudo de Lee e seus colegas destaca um fenômeno controverso. Em primeiro lugar, porque não foi estudado nos ensaios iniciais com as vacinas.

“Os protocolos não monitoram eventos adversos importantes por mais de sete dias e as comunicações de acompanhamento adicionais não perguntam sobre o ciclo menstrual ou sangramento”, o pesquisadores explicam no estudo.

E a literatura científica sobre o assunto é diversificada, com estudos apontando nas duas direções.

A Agência Europeia de Medicamentos, por exemplo, conclui que não há evidências suficientes para estabelecer uma relação causal entre a vacina contra a covid e os casos notificados de falta de menstruação. Mas um artigo publicado no British Medical Journal, por outro lado, considerou “plausível” que houvesse mudanças na menstruação e no sangramento e pediu seu estudo para garantir o sucesso das campanhas de vacinação: chances de futuras gestações.

“A falha em investigar completamente os relatos de mudanças menstruais após a vacinação provavelmente alimentará esses medos”, afirma a principal autora Victoria Male, pesquisadora do Departamento de Metabolismo, Digestão e Reprodução da Universidade Imperial de Londres.

Outro estudo americano observou uma ligeira mudança na duração do ciclo menstrual de menos de um dia, e a pesquisa norueguesa , também por meio de pesquisas com participantes, concluiu que houve um aumento significativo nos distúrbios menstruais pós-vacinação, principalmente “sangramento mais intenso, de duração mais longa e por curtos intervalos entre as menstruações”.

Se uma relação causal for encontrada, a explicação de por que isso acontece ainda está no ar.

“Não temos ideia do mecanismo de ação pelo qual algo acontece”, admite Palacios.

Existem várias hipóteses. De Santiago de Compostela, González Cea começou a investigar precisamente por que isso está acontecendo e aponta para uma ação viral que altera a função hormonal.

“Coletamos amostras de 150 pacientes com episódios de sangramento pós-vacina ou pós-Covid e, nas ultrassonografias, encontramos ovulação sustentada fora do ciclo e aumento do estrogênio. Nossa teoria vai para a hiperovulação. Acreditamos que pode ser o vírus que causa a estimulação dos receptores hormonais”, pontua.

Agramunt também levanta a hipótese de inflamação e coagulação.

“Supostamente, a vacina ativa o sistema imunológico e pode induzir alterações na coagulação e que o útero repara mal a parede quando expele o endométrio”, sugere.

Na mesma linha, Lee aponta:

“O ciclo menstrual deve responder aos fatores de estresse. Sabemos que as regras variam com base em coisas como estresse energético, como aumentar o exercício sem aumentar a ingestão de alimentos e estresse imunológico, como ter gripe. A vacina é um estressor imunológico porque é assim que funciona, ativando o sistema imunológico para protegê-lo e o útero é um órgão imunológico”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Ação integrada em ferros-velhos prende quatro pessoas na Zona Leste de Porto Alegre
Governo gaúcho aprova novos projetos de investimento com apoio do Fundopem
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play