Terça-feira, 18 de junho de 2024

Crise imobiliária na Irlanda acerta brasileiros em cheio

A Irlanda vive uma crise de falta de acomodação para atender a toda a demanda de estrangeiros que escolhem o país para morar ou passar uma temporada. Os brasileiros relatam dificuldades para conseguir moradia e têm que dividir cama com estranhos ou comprometer praticamente todo o salário com aluguel.

As acomodações se tornaram escassas e caras após o aumento do fluxo imigratório dos últimos anos e a retomada pós-pandemia. No primeiro trimestre deste ano, os aluguéis tiveram o maior aumento em cinco anos, e a imprensa local reportou em maio que só havia 852 imóveis para alugar em todo o país, o menor número desde 2006.

O número de brasileiros morando na Irlanda, por outro lado, quintuplicou de 2016 para cá, segundo estimativa divulgada recentemente pela Embaixada do Brasil em Dublin: cerca de 70 mil pessoas deixaram o Brasil em busca de emprego, estudo e melhores condições de vida no país europeu.

E não são só brasileiros: desde 2015, mais pessoas chegam para morar na Irlanda do que saem, incluindo irlandeses que voltam e estrangeiros, segundo dados oficiais. Em 2021, último ano para o qual há informações, havia 645.500 estrangeiros no país, ou 12,9% da população.

Agora, a população estrangeira aumentou ainda mais após a invasão russa na Ucrânia, em fevereiro deste ano. A Irlanda acolheu mais de 20 mil ucranianos. Em junho, o governo aprovou a construção de 500 casas modulares para abrigar os refugiados.

Pela necessidade de um teto, a personal organizer ou organizadora de ambientes brasileira Letícia Lerner, de 28 anos, teve que dividir a cama com desconhecidos em espaços minúsculos. Ela já está na quinta acomodação desde que chegou a Dublin, há seis meses.

Logo que desembarcou, a jovem foi diagnosticada com covid-19, o que dificultou a busca por moradia no início, porque ela teve que ficar isolada por 10 dias num hostel. A primeira acomodação depois disso foi um estúdio bem antigo, que Lerner dividia com outra jovem brasileira. Mas as duas não se entrosaram, e a personal saiu depois de 15 dias para morar com outros brasileiros, mas de novo teve problemas.

Segundo conta, era um cubículo sujo e antigo, sem camas: “Eram dois colchões infláveis no chão e, novamente, tive que dividir a cama com um estranho. Pensei: ‘Não acredito que caí numa roubada de novo’. Mas procurei outro lugar e me mudei 20 dias depois”.

Na nova acomodação, havia muitas regras que não se encaixavam no ritmo de vida dela, em três empregos, como bartender, faxineira e babá, além de um extra como personal organizer.

“Eu tinha horários diferentes dos colegas de casa. Se eu tivesse que tomar banho fora do horário estabelecido, teria que ser gelado. Depois de três meses procurando, consegui um imóvel melhor e agora até me sinto privilegiada”, disse Lerner, dizendo que o acúmulo de trabalhos possibilita que ela pague o aluguel de 900 euros (cerca de R$ 5 mil) por um quarto onde mora sozinha.

O aluguel compromete cerca de 90% do salário da mineira Camila Ribeiro, que mora em Dublin há dois meses. Ela paga 600 euros (R$ 3.300) por mês para morar em um apartamento compartilhado com outras cinco jovens. O aluguel total do imóvel é de 3.200 euros (R$ 18 mil).

“Estou arrumando outro emprego e, com os dois trabalhos, devo gastar 50% do salário com aluguel, o que vai melhorar, mas ainda é muito”, disse.

Camila tem 29 anos, é formada em administração e se mudou para a Irlanda com visto de estudante e direito a trabalhar, seguindo um sonho que tinha desde a adolescência de fazer intercâmbio.

Nos grupos de brasileiros na Irlanda, no Facebook, pessoas postam mensagens implorando por acomodação. Apesar disso, o país é atrativo para estrangeiros. Há vagas sem a exigência de falar inglês, pelo menos inicialmente, contudo, em empregos sem atendimento ao público, como prestação de serviços de limpeza. Também é permitido trabalho temporário com visto de estudante.

Numa pesquisa feita pelo E-Dublin, um site para brasileiros na Irlanda, a maioria dos intercambistas cita a hospitalidade, a alimentação, a qualidade de vida e a oportunidade de trabalho como principais vantagens do país.

No dia 14 de junho, o presidente da Irlanda, Michael Higgins, se manifestou sobre a crise imobiliária no país. Em discurso, ele apontou um aumento de 90% na falta de moradia para os jovens e destacou que “as perspectivas estão ficando mais sombrias”.

“Vamos abrigar nosso povo, vamos educar nosso povo, vamos mostrar que ninguém está passando fome, vamos mostrar que ninguém é excluído de nenhuma parte da nossa sociedade”, disse.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Supremo vê bravata e estratégia eleitoreira em ataques de Bolsonaro durante convenção
Com pagamento instantâneo, e-commerce estrangeiro cresce no país
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play