Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Decretada prisão preventiva para neonazistas reunidos em sítio em Santa Catarina

Os oito homens flagrados pela polícia de Santa Catarina durante um encontro de neonazistas tiveram as prisões em flagrantes convertidas em preventivas, informou o delegado Arthur Lopes, responsável pelo caso. O grupo é suspeito de integrar uma célula neonazista interestadual com ligação internacional. Os oito homens estavam reunidos em um sítio em São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis, para participar de um encontro anual, quando foram localizados pela Polícia Civil. Eles haviam sido detidos na segunda-feira (14).

Entre os presos, há o integrante de um grupo skinhead internacional, conhecido por ser intolerante e de extrema direita. Os nomes dos homens não foram informados. Todos eles ficarão presos em Santa Catarina.

Santa Catarina teve episódios recentes ligados à ideologia nazista. Entre eles, a prisão de estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que foram detidos pelo mesmo delegado que comandou a operação de segunda-feira. Segundo Lopes, no entanto, essas células não têm relação. Todos os casos são investigados.

De acordo com o Promotor de Justiça Luiz Fernando Pacheco, responsável pela 40ª Promotoria de Justiça da Capital, as investigações até o momento indicam que o grupo age com forte exaltação à ideologia fascista e apologia ao nazismo.

Investigação

De acordo com as investigações, os criminosos teriam escolhido o município por ser a primeira colônia alemã em Santa Catarina, instalada em 1829. Em depoimento, segundo o delegado, alguns confirmaram a informação, mas outros negaram.

Os presos, quem têm entre 22 a 48 anos, foram levados em flagrante pela prática dos crimes de associação criminosa e racismo. Quatro são do Rio Grande do Sul, um de Santa Catarina, um do Paraná, um de Minas Gerais e um de Portugal.

No sítio, foram encontradas revistas, panfletos e outros objetos com símbolos de grupos supremacistas.

Um dos conduzidos ainda foi autuado por porte ilegal de arma de fogo por ter sido flagrado com balas.

No cumprimento de um mandado de busca e apreensão no sítio onde foram encontrados os homens, a polícia localizou equipamentos eletrônicos e outros objetos que passarão por perícia.

Outro mandado de busca e apreensão foi cumprido em Florianópolis, na casa de um suspeito de integrar o grupo.

Quem são os presos

Entre os presos há um português que mora do Brasil há vários anos. Outros dois homens já se envolveram em crimes de homicídio decorrentes de intolerância.

Um deles estava usando tornozeleira eletrônica por ter sido condenado por uma tentativa de homicídio decorrente de um ataque skinhead contra judeus no Rio Grande do Sul.

Já o outro foi denunciado por duplo homicídio decorrente de uma disputa entre lideranças de células neonazistas. O caso ainda não foi julgado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Massacre do Carandiru: Ministro Barroso finaliza processo e policiais já podem ser presos
PEC da Transição: o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin diz que novo governo irá cortar gastos e não vê “razão esse estresse”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play