Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Dengue ultrapassa mil mortes no País em três meses, 163% a mais que o registro do início do ano passado

O Brasil ultrapassou mil mortes por dengue somente neste ano, segundo dados do Painel de Arboviroses do Ministério da Saúde atualizados nessa quarta-feira (3). São 1.020 óbitos pela doença entre janeiro e abril, além de 1.531 em investigação.

Em treze semanas, o registro já é o terceiro pior em 24 anos – desde o início da série histórica, em 2000. O recorde anual de mortes pela doença é de 2023, 1.094, seguido de 2022, 1.053. Também é 163% maior que o número de óbitos do mesmo período do ano passado, 388.

No mesmo período, o Ministério da Saúde contabilizou 2.671.332 infecções, número 353% superior que o contabilizado no mesmo período do ano passado (589.294) e já ultrapassa por inteiro até mesmo o pior ano da série histórica mantida pela pasta: 2015, quando foi 1,68 milhão de diagnósticos.

O cenário já levou 11 unidades federativas (Acre, Amazonas, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo) a declarar estado de emergência em saúde, além de capitais. A medida vale por seis meses, mas pode ser prorrogada.

O Ministério da Saúde, contudo, fala em declínio da epidemia em quase todo o País. A pasta afirmou que o pico de transmissão da doença já foi superado e as infecções estão em “tendência de queda consolidada” em sete Estados (Acre, Amazonas, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Piauí e Roraima) e no Distrito Federal.

Em paralelo, 12 Estados apresentam “tendência de estabilidade”. Amapá, Ceará, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Rondônia, Rio Grande do Sul e Tocantins.

Outros sete, sua maioria na região Nordeste, têm tendência de aumento de casos e óbitos por dengue. São eles: Alagoas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe.

“Estamos analisando esse crescimento no Nordeste e observando que a situação não cresce na mesma velocidade como em outros estados. Isso representa menor número de casos global”, disse a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel. Segundo ela, agora, “a epidemia é um pouco diferente”.

Devido à baixa procura da vacina para a doença, destinada a crianças de jovens entre 10 e 14 anos, o governo decidiu redistribuir as doses que estavam paradas para outros 154 municípios. Ao todo, o ministério distribuiu 668 mil doses com vencimento em 30 de abril; 523 mil com vencimento em 30 de junho; e 84 mil em 31 de julho.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Em Pernambuco, filho interrompe júri e atira no suposto assassino do pai
Brasileiros no Reino Unido enfrentam risco de golpe e cerco do governo; entenda
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play