Domingo, 05 de dezembro de 2021

loader

Depois de 5 anos, avião elétrico da Nasa está pronto para decolar

O primeiro avião elétrico da Nasa está se preparando para decolar. Nos últimos cinco anos, uma pequena equipe de engenheiros da agência espacial norte-americana tem trabalhado na conversão de uma aeronave italiana Tecnam P2006T para funcionar apenas com bateria. O X-57 Maxwell, batizado em homenagem ao físico escocês do século 19 James Clerk Maxwell, começou recentemente o teste funcional de alta voltagem em solo no Armstrong Flight Research Center em Edwards, Califórnia, e deve fazer seu voo inaugural na primavera de 2022.

Esse voo, quando acontecer, será um marco crucial para a Nasa, que o presidente Joe Biden incumbiu de concentrar mais de seus recursos na redução do impacto da mudança climática.

Em forma de conceito, o X-57 tem um visual único. As asas de alta proporção são muito mais finas do que as asas de um avião típicas, alinhadas com 12 motores elétricos com hélices para ajudar na elevação e dois motores maiores no final para ajudar no cruzeiro. Quando não estão em uso, os 12 motores menores se dobram para ajudar a reduzir o arrasto. A Nasa espera que o X-57 tenha um alcance de aproximadamente 100 milhas e uma velocidade de cruzeiro de 172 mph. Também terá um tempo máximo de voo de aproximadamente 40 minutos.

Mas, na realidade, os motores ainda não foram instalados e o X-57 ainda se parece com uma aeronave leve padrão que você pode ver em qualquer campo de aviação. Nelson disse que o protótipo logo se “transformará” na imagem do avião que a NASA revelou pela primeira vez em 2016. E a partir daí, a equipe construirá uma versão híbrida que pode funcionar com eletricidade e gás.

Peso da bateria é um dos maiores obstáculos 

Um dos principais obstáculos no caminho da aviação elétrica é o peso da bateria. A densidade de energia – a quantidade de energia armazenada em uma tempestade – é a métrica crítica. As baterias de hoje não contêm energia suficiente para tirar a maioria dos aviões do solo e manter o voo além de algumas centenas de milhas. Para pesar: o combustível de aviação distribui cerca de 43 vezes mais energia do que uma bateria que é tão pesada.

O X-57 requer cerca de 800 libras de bateria para seus voos de pesquisa, disse Sean Clark, principal investigador do Armstrong Flight Research Center. Uma das inovações desenvolvidas pela equipe do X-57 foi um pacote de instalação que pode absorver uma célula de bateria com defeito depois que sua energia é gasta, o que ajuda a prevenir a falha de uma bateria inteira.

A indústria da aviação produz apenas cerca de 2% das emissões globais de carbono. Mas o esforço para remover o ruído e a poluição do voo está (desculpem o trocadilho) decolando de várias maneiras. Descobrir como trocar o combustível de aviação por pesadas baterias de íon-lítio tem sido um grande obstáculo – que a equipe de cientistas e engenheiros da Nasa se sente bem para resolver.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Descubra os códigos mais secretos do seu iPhone e facilite sua vida
Rainha Elizabeth II passa a noite em hospital em Londres
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play