Domingo, 21 de abril de 2024

Deputado federal gasta 150 mil reais em reforma de gabinete e leva móveis após derrota

Ao entrar em seu novo gabinete de deputado na Câmara, Alberto Fraga levou um susto. Não havia nenhum mobiliário. Os cabos estavam expostos e a sala, completamente vazia.

Ocupado até 19 de janeiro pelo ex-deputado Lucas Vergilio, que não se reelegeu, o escritório foi esvaziado porque, segundo Fraga, os móveis eram de uma reforma particular.

Fraga conta ter sido procurado por Vergilio para vender o mobiliário do gabinete por R$ 150 mil, sob a alegação de se tratar de móveis comprados com recursos próprios.

Como os deputados têm direito a estrutura bancada pela Câmara, Fraga não quis pagar pelos móveis de colega, que, parou um caminhão de mudança e carregou tudo.

Lucas Vergilio, por sua vez, conta ter desocupado o imóvel uma semana antes do prazo estipulado pela Câmara para dar tempo suficiente de a Casa reinstalar o mobiliário do gabinete.

Ele confirma ter bancado a reforma com recursos próprios e com a ajuda de um arquiteto profissional. Esses móveis serão aproveitados no escritório particular dele, em Goiás. Diz Vergilio:

“Me disseram que iriam resolver a questão e que nossa obrigação era deixar tudo limpo. E também mencionaram que, em virtude dos ataques ao Congresso, estavam sem funcionários para atender à montagem do novo gabinete, mas que isso já era de conhecimento do futuro parlamentar.”

Em 2007, o então deputado, costureiro e apresentador de TV Clodovil Hernandez ganhou repercussão ao gastar R$ 200 mil para reformar seu gabinete também na Câmara.

O gabinete era dividido em três ambientes: sala de espera, assessoria e área pessoal. Havia dois sofás em tecido branco, com faixas nas cores verde e amarela e as almofadas eram bordadas com brasão da República, em “ponto cheio”. Até a iluminação fora reforçada.

Palácio da Alvorada

No início de janeiro, quando Lula e Janja fizeram uma visita ao Palácio da Alvorada para conferir a situação da residência oficial antes de se mudarem para lá, se depararam com um… grande vazio no quarto presidencial.

Além de não ter nenhum móvel no aposento — não havia cama, nem mesas, nem tapetes — foram encontrados apenas um cofre para guardar armas de fogo, um cilindro de oxigênio e algumas poltronas.

Mas aonde foram parar os móveis? No momento, são tratados como “extraviados” até que a curadoria dos palácios presidenciais localize o paradeiro deles.

A propósito, o órgão abriu diálogo com o Iphan para tombar os móveis dos palácios do Planalto e da Alvorada, que ainda não estão classificados como patrimônio histórico.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

PP e União Brasil costuram acordo nos Estados para se transformarem em federação
Saiba o que está por trás do conflito entre Lula e Banco Central e quais os impactos para a economia brasileira
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play