Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Disponível no streaming: 8 anos antes da pandemia, este filme entendia tudo sobre covid

Uma pandemia devastadora explode em todo o mundo… No Centro de Prevenção e Controle de Doenças, as equipes se mobilizam para tentar decifrar o genoma do misterioso vírus, que está em constante mutação. Os casos fatais estão se multiplicando, ameaçando as próprias bases da sociedade…

Esse discurso assustador lhe parece familiar? É o argumento do emocionante do filme Contágio, que prenunciou a infame covid quase oito anos antes.

Como a ideia de Contágio surgiu para Steven Soderbergh? Simplesmente quando ele e seu roteirista Scott Z. Burns adoeceram durante uma viagem de avião.

Contágio é um suspense arrepiante que, às vezes, beira o documentário em sua credibilidade. Com esse filme emocionante e de tirar o fôlego, Soderbergh claramente não poderia ter feito um trabalho melhor para nos conscientizar, se é que isso ainda é necessário, sobre a fragilidade do mundo em que vivemos.

Um filme premonitório

Com uma constelação de estrelas, de Matt Damon e Marion Cotillard a Jude Law, Kate Winslet e Gwyneth Paltrow, Contágio tem uma estranha qualidade premonitória quando ambientado no cenário da recente epidemia de coronavírus.

“O que fizemos com os cientistas envolvidos e Steven foi a melhor estimativa do que aconteceria no caso de uma pandemia”, explicou o roteirista Scott Z. Burns em 2020, em entrevista à Variety.

“Provavelmente teríamos seguido o mesmo caminho se a SARS, que também é um coronavírus, tivesse seguido o mesmo caminho. Confio nos cientistas e não me surpreende que eles tenham acertado.”

Série

Quando a série futurista Extrapolations – Um Futuro Inquietante estreou na Apple TV+ em março de 2023, seu episódio de abertura mostrou uma cidade de Nova York cujos céus ficaram laranja devido à fumaça de incêndios florestais – no ano de 2037. Então, quando os céus realmente ganharam um tom laranja apocalíptico na semana passada, com a fumaça dos incêndios florestais do Canadá sufocando a cidade, muitos fãs da série tiveram um flashback – ou talvez um flash-forward.

Ao longo de oito episódios interconectados, Meryl Streep, Kit Harington, Sienna Miller e outros atores e atrizes do elenco de Extrapolations enfrentam um futuro cada vez mais sombrio à medida que as mudanças climáticas transformam um ano de 2037 não muito diferente do nosso 2023 em um cenário infernal na década de 2070, onde a mera exposição ao sol pode ser fatal e ninguém sai de casa sem um tanque de oxigênio. Scott Z. Burns, o criador e produtor executivo da série, disse que queria contar uma história longe o suficiente no futuro, mas não tão distante que os impactos das tendências climáticas parecessem implausíveis para um público de 2023.

Agora nada parece implausível. Em Extrapolations, uma das personagens nascidas na cidade de Nova York durante os incêndios florestais de 2037 desenvolve um debilitante “coração de verão”, devido à exposição à fumaça ainda no útero. Hoje, médicos na Austrália estão tratando “bebês de incêndios florestais”, crianças nascidas durante os catastróficos incêndios de 2019-2020 com problemas pulmonares crônicos. Mais uma vez a arte imitando a vida?

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cinema e TV

Musculação melhora sintomas de depressão e ansiedade em idosos
Cinco recursos que podem desaparecer dos smartphones do futuro
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play