Terça-feira, 21 de maio de 2024

Emissões de gases estufa caem 8% no Brasil, mas taxa ainda é alta

O Brasil emitiu 2,3 bilhões de toneladas brutas de gases de efeito estufa em 2022. O número representa uma queda de 8% em relação ao ano anterior, quando foram emitidas 2,5 bilhões de toneladas, mas ainda um nível de poluição em patamares elevados. A taxa de emissões registrado no ano passado é a terceira maior desde 2005, perdendo apenas para 2021 e 2019.

O Observatório do Clima, a maior coalizão de ONGs do País ligadas à sustentabilidade, apresentou dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (Seeg). Essa é a 11ª edição do estudo, divulgada às vésperas da Cúpula do Clima (COP-28), que acontece em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos a partir do dia 30. A redução de emissões de gases do efeito estufa é a principal medida para frear o aquecimento global.

Entre 2019 e 2022, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o Brasil emitiu 9,4 bilhões de toneladas brutas de gases de efeito estufa, retornando a patamares de emissões da década de 1990 e do início dos anos 2000.

O desmatamento, principal responsável pelas emissões de gases do efeito estufa no Brasil, apresentou ligeira queda em suas emissões. No ano passado, a destruição de florestas emitiu 1,12 bilhão de toneladas brutas de gás carbônico equivalente, o correspondente a 48% das emissões brasileiras. Em 2021, o desmatamento emitiu 1,32 bilhão de toneladas de gases do efeito estufa, representando 50% do total.

“Mesmo com a alta no Cerrado, a diminuição na Amazônia (cuja taxa de desmatamento medida pelo sistema Prodes, do Inpe, caiu 11%, de 13.038 km2 para 11.594 km2 ) puxou o setor para baixo”, explica a pesquisa.

A análise mostra que enquanto as emissões geradas pelo desmatamento caíram, a quantidade de gases do efeito estufa despejada pela agropecuária cresceu. Em 2022, o setor emitiu 617,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa, aumento de 3,2% em relação a 2021, quando foram emitidas 598,3 milhões de toneladas. A agropecuária é a segunda maior fonte de emissões do Brasil, ficando atrás apenas do desmatamento, e representa 27% do total.

“A principal causa do aumento nas emissões foi, assim como em 2021, o crescimento do rebanho bovino”, afirma o Observatório.

Dados do IBGE mostram que o número de cabeças de gado aumentou quase dez milhões de um ano para o outro. Em 2022, foram contabilizadas 234,4 milhões de cabeças, contra 224,6 milhões no ano anterior, um aumento de 4,3%. O gado emite metano durante seu processo de digestão, contribuindo para o aquecimento global.

Meta pode ser mais ambiciosa

De acordo com dados da análise, caso o Brasil cumpra a meta anunciada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de zerar o desmate até 2030, o País atingirá com folga o compromisso fixado no Acordo de Paris, celebrado em 2015.

Em setembro, o governo federal anunciou a retomada da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) assumida originalmente pelo Brasil, de reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 48% até 2025 e em 53% até 2030. A meta havia sido modificada pelo por Bolsonaro, que reduziu a proposta. Na versão do governo anterior, o Brasil deveria cortar as emissões em 37% até 2025 e 50% até 2030.

O Observatório do Clima indica que, caso queira, o governo atual tem margem para se comprometer com uma meta mais ousada de redução de gases do efeito estufa. Isso porque, a redução do desmatamento a zero, como tem prometido Lula, garantiria que o Brasil pudesse reduzir quase duas vezes mais suas emissões do que o prometido no âmbito do Acordo de Paris.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Após 50 anos de casamento, Jorge Ben Jor se separa e segue morando no Copacabana Palace
Maior iceberg do mundo volta a se mover depois de mais de 30 anos encalhado
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play