Sábado, 13 de abril de 2024

Entenda o acordo político que fez Lula revogar trecho da MP da desoneração

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou uma medida que revoga a reoneração da folha de pagamentos de 17 setores da economia intensivos em mão de obra. Com a revogação desse trecho, esses setores, que empregam mais de 9 milhões de pessoas, voltam a ter desoneração sobre a folha. A reversão atende a acordo político firmado pelo governo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Ao mesmo tempo, o governo enviará ao Congresso Nacional um projeto de lei prevendo a reoneração gradual da folha de pagamento desses setores. Na prática, o governo troca a medida provisória, que tem vigência imediata, por um projeto de lei em regime de urgência, que ainda precisa ser aprovado pelos parlamentares.

A iniciativa foi anunciada pelo ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, por meio de um vídeo em que ele destacou que houve negociação com os parlamentares para chegar a esse caminho. O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dario Durigan, também confirmou esse movimento.

“Desde o começo do ano, o governo vem discutindo, negociando, conversando sobre qual seria a melhor forma de tramitar esse tema no Congresso Nacional.”

Entenda

O Congresso aprovou em outubro do ano passado que a desoneração valerá até 2027. O projeto foi vetado pelo presidente Lula e, depois, o veto foi derrubado pelos parlamentares.

Em seguida, em dezembro, a Presidência da República enviou outra MP prevendo a reoneração gradual dos 17 setores, que foi contestada por parlamentares, pois derrubava a decisão anterior do Congresso. É esse trecho que está sendo revogado agora.

A desoneração permite que as empresas desses setores substituam a contribuição previdenciária — de 20% sobre os salários dos empregados — por uma alíquota sobre a receita bruta do empreendimento, que varia de 1% a 4,5%, de acordo com o segmento e o serviço prestado.

Foram mantidos na medida provisória (MP) enviada em dezembro os trechos que tratam do fim do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) e a limitação de compensações tributárias. Também fica mantida a reoneração da folha para municípios de pequeno e médio portes, segundo Durigan.

Setores comemoram

Os setores envolvidos na proposta celebraram a decisão do governo, mas chamaram atenção para a questão do projeto de lei.

Para Fernando Pimentel, diretor-superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), essa discussão levou grande insegurança aos setores que poderiam ser impactados pela medida. A mudança na desoneração, justifica o executivo, resultaria em perda de competitividade a empresas desses setores, reduzindo a arrecadação para o governo.

“Trouxe um estresse desnecessário e que atrapalha o planejamento das empresas. O que se espera é que o projeto venha com uma visão estruturante para a economia como um todo, de forma a reduzir o custo para a geração de emprego, para ampliar a formalidade”, destaca Pimentel.

Renato Sousa Correia, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), avalia que voltar com o debate via projeto de lei é também um equívoco, e que isso poderia ser feito via Reforma Tributária sobre a renda:

“É uma oportunidade de o País debater sobre tributo sobre a folha, fazendo a reforma da tributação da renda e do emprego.”

Incentivo 

A presidente da Federação Nacional de Call Center, Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e Informática (Feninfra), Vivien Mello Suruagy, avaliou a revogação da MP como um reconhecimento da decisão do Congresso. Para ela, manter a desoneração favorece investimentos e a geração de novos empregos com a melhora na saúde financeira das empresas dos setores contemplados.

“Já foi comprovado que os setores desonerados geram mais empregos e, finalmente, houve esse reconhecimento por parte do governo. É a certeza de empregabilidade com carteira assinada, beneficiando mulheres que chefiam famílias e jovens em seu primeiro emprego”, afirmou a dirigente da Feninfra em comunicado, acrescentando que os empresários estão dispostos a debater o projeto de lei que o governo promete enviar ao Congresso, “desde que a medida seja prorrogada até 2027, como foi aprovado pelos congressistas”.

A deputada Any Ortiz (Cidadania-RS), relatora do projeto na Câmara, disse que a desoneração é necessária para manter empregos:

“(A nova MP) representa o respeito, mesmo que tardio, aos deputados e senadores que são os representantes diretos do povo brasileiro.”

Em nota, a Frente Parlamentar do Empreendedorismo disse que a decisão do governo foi correta e que por meio de um projeto de lei “esse debate ocorre de maneira mais saudável e em um ambiente propositivo”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Governo federal tem superávit de mais de R$ 79 bilhões janeiro
Governo publica MP em edição extra do Diário Oficial e desoneração da folha salarial das empresas é mantida para 17 setores da economia
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play