Sexta-feira, 19 de julho de 2024

Estudo de DNA no Reino Unido revela dois grupos humanos pré-históricos

Uma equipe britânica de cientistas obteve o DNA humano mais antigo já encontrado no Reino Unido, que corresponde a dois grupos diferentes de indivíduos que migraram para as Ilhas Britânicas no Paleolítico, no final da última era glacial. O estudo, publicado na revista Nature Ecology and Evolution, foi realizado por pesquisadores do Institute of Archaeology, University College London (UCL), do Natural History Museum e do Francis Crick Institute, e indica, pela primeira vez, que a recolonização da Grã-Bretanha foi liderada por pelo menos dois grupos com origens e culturas diferentes.

Os autores acreditam que ambos os grupos chegaram após a última era glacial e com cerca de mil anos de diferença.

Para fazer o levantamento, eles examinaram o DNA dos restos mortais de uma mulher da Caverna de Gough em Somerset, Inglaterra, e de um homem da Caverna de Kendrick, no norte do País de Gales, que viveu há mais de 13.500 anos. De acordo com a análise, a mulher de Gough morreu há cerca de 14.900 anos e seus ancestrais faziam parte de uma população que migrou para o noroeste da Europa há cerca de 16.000.

De fato, essa mulher compartilha dados de ancestralidade genética associados a humanos da caverna Goyet (Bélgica) e da caverna El Mirón (Espanha), com cerca de 15.000 anos. O indivíduo da caverna Kendrick, no entanto, é de um período posterior, cerca de 13.500 anos atrás, e veio de um grupo de caçadores-coletores ocidentais do Oriente Próximo que migraram para a Grã-Bretanha há aproximados 14.000.

Mudança climática

Este homem compartilha ascendência com o indivíduo de Villabruna, Itália, de 14.000 anos atrás. O estudo recorda que há cerca de 19 mil anos, no final da última era glacial, já havia humanos na Grã-Bretanha, mas a ocupação era escassa, porque o gelo tornava inabitáveis dois terços das ilhas. No entanto, quando o clima esquentou e as geleiras derreteram, ocorreram mudanças ambientais drásticas e os humanos começaram a migrar para o norte da Europa.

Esse período, de 20.000 a 10.000 anos atrás, faz parte do Paleolítico, a Idade da Pedra Antiga, e “é um período importante para o meio ambiente na Grã-Bretanha, em que houve um aquecimento significativo do clima, um aumento na quantidade das florestas e mudanças nos tipos de animais disponíveis para caçar”, explica Sophy Charlton, do Museu de História Natural.

A análise isotópica mostrou ainda que ambos os grupos eram culturalmente distintos, com diferenças na dieta e nas práticas mortuárias. Análises químicas dos ossos mostraram que os indivíduos da caverna Kendrick comiam muitos alimentos de água doce e marinhos, “incluindo grandes mamíferos marinhos”, diz Rhiannon Stevens, da UCL. “Os humanos da caverna de Gough, no entanto, não mostraram evidências de comer alimentos marinhos e de água doce, mas principalmente herbívoros terrestres, como veados, bovídeos e cavalos.”

Quanto aos costumes mortuários, ossos esculpidos e decorados como objetos de arte portáteis foram encontrados na Caverna Kendrick e nenhum com sinais de ter sido comido por humanos, o que para os cientistas indica que a caverna foi usada como local de sepultamento. Por sua vez, os ossos de animais e humanos da caverna de Gough apresentaram modificações importantes, como as chamadas “copos de caveira”, crânios humanos modificados para celebrar rituais e canibalismo.

Além disso, os indivíduos Gough parecem ser os mesmos que criaram as ferramentas de pedra de Magdalenian, uma cultura também conhecida por sua icônica arte rupestre e artefatos ósseos.

A Caverna de Gough é também o local onde o famoso “Homem de Cheddar”, datado entre 10.564 e 9.915 anos a.C, foi descoberto em 1903. Neste estudo, eles concluíram que o indivíduo citado tinha uma mistura de ancestrais, principalmente (85%) caçadores-coletores ocidentais e alguns (15%) do tipo mais antigo da migração inicial.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Investidores do Twitter querem processar Elon Musk por causa da desvalorização no valor das ações vendidas
Como abrir um cassino criptográfico em 2023?
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play