Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Estudo revela que anticorpo raro reverte doença cardíaca incurável

Um tipo mortal e anteriormente incurável de doença cardíaca foi totalmente revertida pela primeira vez, deixando os pacientes sem sintomas. A equipe de pesquisadores da University College London encontrou um conjunto de anticorpos que reverteu a cardiomiopatia amiloide transtirretina (ATTR-CM) em três homens. Os cientistas descreveram o caso em um artigo publicado na revista científica The New England Journal of Medicine. A doença normalmente causa a morte dos pacientes em quatro anos.

A ATTR-CM é um tipo de amiloidose (doença rara que causa deposição de proteína amilóide) em que um acúmulo anormal da proteína transtirretina causa danos ao coração e aos nervos circundantes. Com o tempo, esse dano nos nervos resulta em funcionamento inadequado do coração e cerca de metade de todas as pessoas diagnosticadas morrerão em quatro anos. É hereditário e muitas vezes só aparece mais tarde na vida, mais frequentemente aos 50 ou 60 anos, mas também pode ser não hereditário em alguns casos.

As terapias atuais envolvem tratar os sintomas da insuficiência cardíaca resultante e não a causa subjacente, deixando a doença progredir sem inibição. Os pacientes podem sentir fadiga, falta de ar e inchaço nas pernas e no abdômen, e os sintomas pioram com o tempo.

Anteriormente, pensava-se que a doença era irreversível e incurável, mas um novo estudo encontrou alguns resultados incrivelmente promissores.

O estudo ocorreu com três homens de idades 68, 76 e 82 anos, diagnosticados com ATTR-CM. A equipe vasculhou os dados de pacientes de 1.663 pessoas e encontraram apenas esses três, cujas condições foram revertidas.

Olhando mais de perto as amostras de sangue coletadas desses homens, os pesquisadores descobriram que um deles tinha uma estranha resposta imune às proteínas amiloides. Eles então encontraram mais dois voluntários que tiveram uma recuperação notável semelhante, que era completamente diferente do curso normal da doença nos outros pacientes.

Eles conseguiram isolar um anticorpo específico que parece se ligar a proteínas amilóides em modelos de tecido humano e de camundongo, que as outras 350 pessoas que a equipe examinou não tinham. É possível que esse anticorpo esteja por trás da reversão da doença e a equipe agora está correndo para investigar isso.

Embora esse anticorpo possa não ter valor terapêutico, esta é a primeira vez que as pessoas se recuperam totalmente dessa condição, oferecendo esperança de que isso seja possível.

“Vimos pela primeira vez que o coração pode melhorar com esta doença. Isso não era conhecido até agora e eleva a expectativa para o que pode ser possível com novos tratamentos”, disse a principal autora, a professora Marianna Fontana, da Divisão de Medicina da University College London, em comunicado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Saiba como como fazer eletrônicos, como PC e celular, durarem mais tempo
Algoritmo do Instagram permitia busca por pornografia infantil
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play