Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Fugitivos que escaparam de presídio federal em Mossoró são presos no Pará, após 50 dias

A Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) recapturaram nessa quinta-feira (4), em Marabá (PA), os dois fugitivos que haviam escapado da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. A recaptura ocorreu por volta das 13h30 dessa quinta, após 50 dias de fuga.

Marabá, no Sudeste do Pará, fica a mais de 1.600 quilômetros de distância de Mossoró. Um trajeto em “linha reta” entre as duas cidades passa por pelo menos cinco Estados: além de Pará e Rio Grande do Norte, também por Ceará, Piauí e Maranhão – e, a depender do trajeto, pelo Norte do Tocantins.

A operação envolveu o monitoramento de três veículos que, segundo as investigações, davam cobertura à fuga – ao todo, seis pessoas foram presas nos três carros. Um dos foragidos foi capturado pela PF, e outro, pela PRF.

Integrantes do Comando Vermelho, Rogério da Silva Mendonça, de 35 anos, e Deibson Cabral Nascimento, de 33, tinham fugido do presídio no dia 14 de fevereiro.

Os suspeitos foram presos na ponte que atravessa o Rio Tocantins e nas imediações. A abordagem ocorreu neste local para evitar a fuga pelo rio. Com o grupo, foram apreendidos um fuzil com dois carregadores, dinheiro e oito celulares.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, disse que as prisões configuram “uma vitória do Estado brasileiro sobre o crime organizado”.

Em coletiva de imprensa, Lewandowski disse que os fugitivos tiveram ajuda de uma facção criminosa e tentariam fugir para o exterior.

Os dois presos, originalmente do Acre, estavam na penitenciária federal desde setembro de 2023 e integram a facção criminosa Comando Vermelho.

Para fugir, eles abriram passagem por um buraco atrás de uma luminária do presídio e cortaram duas cercas de arame usando ferramentas de uma obra que ocorria no local para escapar.

Foi a primeira fuga registrada na história do sistema penitenciário federal, que inclui ainda penitenciárias em Brasília (DF), Catanduvas (PR), Campo Grande (MS) e Porto Velho (RO).

Força-tarefa

Após a fuga, autoridades locais e federais criaram uma força-tarefa para capturar os fugitivos. O grupo incluía a PF, PRF, Polícia Civil e Polícia Militar do Estado.

A Força Nacional também foi enviada para ajudar na operação, mas deixou a força-tarefa em 30 de março, após 46 dias de buscas. Segundo o Ministério da Justiça, a partir de então, as buscas passaram a ser focadas em ações de inteligência.

Segundo um levantamento da GloboNews, apenas com as forças federais, a operação custou R$ 2,1 milhões aos cofres públicos.

Bastidores

Conforme informações da TV Globo, por volta das 10h da manhã dessa quinta, um delegado da PF informou a PRF em Marabá de que os fugitivos passariam pela cidade de Tailândia, que fica a cerca de 300 quilômetros.

A polícia, então, começou a fazer o acompanhamento dos criminosos. Quando eles se aproximaram de Morada Nova, a 25 quilômetros de Marabá, policiais fecharam dois lados de uma ponte, na BR-222.

Um fugitivo estava em um carro e outro em um segundo veículo. Um terceiro carro, que dava apoio aos criminosos, também foi detido. Além dos fugitivos, quatro homens que os auxiliavam foram presos nesta quinta.

A operação dessa quinta, que contou com a troca de informações entre as polícias, mobilizou quatro viaturas da PRF, com 14 policiais.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Padre preso em Fortaleza suspeito de estupro se valeu da “ingenuidade e fé” da vítima, diz o Ministério Público
94% dos Yanomami de 9 comunidades estão altamente contaminados por mercúrio
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play