Domingo, 21 de abril de 2024

Funcionários do Twitter no Brasil ficam sem direção enquanto assistem às demissões no mundo

Funcionários do Twitter no Brasil estão sem direção em meio à onda de demissões realizada por Elon Musk nesta sexta-feira (4). Enquanto assistem a outros colaboradores serem desligados da companhia nos Estados Unidos, os empregados no País passaram a sexta sem acesso aos sistemas internos da companhia, incluindo e-mail corporativo.

“Estamos em um limbo”, afirma em condição de anonimato ao Estadão um funcionário da empresa no Brasil. Equipes inteiras estão sem trabalhar nesta sexta, à espera de mais informações. Segundo outras pessoas contaram à reportagem, informações sobre a situação da companhia têm sido obtidas pela imprensa.

Não é possível dimensionar a parcela das pessoas em suspenso nem as áreas afetadas. Ao todo, segundo apurou o Estadão, há entre 100 e 150 pessoas trabalhando na matriz do Twitter no Brasil, com produto, operação, comunicações, vendas e jurídico – o departamento de tecnologia é alocado nos Estados Unidos.

O “limbo” não tem previsão de terminar. O último comunicado do Twitter aos funcionários no Brasil foi enviado ao e-mail pessoal dos colaboradores por volta das 4 horas da madrugada desta sexta. O documento, escrito em inglês, afirma que a empresa está “conduzindo uma redução na força de trabalho para melhorar a saúde da companhia”.

“Essas decisões nunca são fáceis e é com grande pesar que informamos a você que seu papel no Twitter foi identificado como potencialmente impacto ou sob risco de redundância”, continua a carta. “Iremos compartilhar mais informações com você assim que possível”.

A empresa afirma que a suspensão das credenciais internas é para proteger as informações confidenciais da companhia. “Essa suspensão não significa que sua empregabilidade foi encerrada”, explica o Twitter.

Para um ex-funcionário que saiu da empresa antes do início da compra ser anunciada, essa falta de clareza na comunicação “rompe o padrão de comportamento” do Twitter. “Sempre foi uma empresa focada no bem-estar de seus funcionários”, continua. “Esse e-mail é de uma frieza cruel”, critica. Outro funcionário classificou o processo como “tortura”.

Clima de despedida

Internamente, os funcionários já contam que estão demitidos ao verem que a sede nos Estados Unidos extinguiu departamentos inteiros, como o time de curadoria de conteúdo, responsável por elaborar os “Moments”, onde um assunto é dissecado a partir de tuítes de terceiros.

Nas redes sociais, funcionários agradecem pelo tempo juntos, com as hashtags  “OneTeam” (Um time, em tradução livre) e “LoveWhoYouWorkWith” (ame com quem você trabalha). Ainda assim, nas mensagens, não é informado o desligamento oficial.

A falta de clareza por parte da direção pode ter motivo: a legislação trabalhista brasileira exige indenizações para as demissões, ao contrário das leis nos Estados Unidos. Por isso, funcionários acreditam que os cortes aqui devem demorar para serem oficializados.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Regulamentação dos jogos de fortuna é tendência mundial e Brasil está perdendo espaço, apontam especialistas
Você pode receber alertas da Defesa Civil pelo WhatsApp! Veja como
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play