Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Governador gaúcho e colegas de outros cinco Estados voltam a defender necessidade de reforça tributária

Ao participar do sétimo encontro do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud), na sede da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro, o governador gaúcho Eduardo Leite voltou a defender a necessidade de uma reforma tributária nacional. O evento foi encerrado neste sábado (4), após três dias de debates com a participação de especialistas e de outros cinco chefes de Executivos estaduais.

O colegiado (que representa 80% da arrecadação nacional) avalia que mudanças no setor de impostos são fundamentais para o crescimento de todo o País. Um dos painelistas, o secretário extraordinário da Reforma Tributária do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, mencionou como exemplo de sucesso o programa estadual “Devolve ICMS”, implantado de forma pioneira durante o primeiro mandato de Eduardo Leite.

A iniciativa consiste na devolução regular de valores relativos ao Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Os beneficiários são famílias de baixa renda.

O representante do Rio Grande do Sul também reiterou o papel do Estado como agente facilitador da transformação, inclusive ao criar um ambiente atrativo para investimentos por agentes internos e externos: “Nesse sentido, a reforma tributária representa um tema importante a ser debatido por todos os entes da Federação. Isso será decisivo para os rumos do Brasil”.

Outros temas

Durante o encontro, os integrantes do Consórcio abordaram outros temas, tais como saneamento, concessões e o pacto federativo. O encerramento, pela manhã, foi marcado peja divulgação de uma carta conjunta dos governadores das regiões Sul e Sudeste, tendo como pautas a reforma tributária e a renegociação das dívidas dos Estados, dentre outros tópicos.

“Precisamos unir forças para abordar temas tão caros a todos os Estados”, declarou Eduardo Leite. “Para isso, encaminhamos um grupo de trabalho entre os respectivos secretários da Fazenda do grupo, a fim de colaborar com as discussões.”

Ele corroborou a fala do colega fluminense Cláudio Castro: “Representamos quase 80% do PIB [Produto Interno Pruto] e merecemos atenção nesse tema, que pode redundar em importante aumento da capacidade de investimento dos Estados”.

Na sequência do evento, o governador Eduardo Leite, junto de outros seis governadores, esteve reunido com as cúpulas das Federações de Indústrias dos Estados participantes – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro Minas Gerais e Espírito Santo.

Trechos

– “Que uma reforma tributária é essencial para o Brasil, nós temos certeza. Criamos um grupo técnico de secretários dos Estados para ficarmos atentos aos detalhes do que venha a ser votado, a como serão os mecanismos de compensação e os encaminhamentos. Muitas pessoas querem abrir um negócio, mas acabam tendo medo, ao depararem com um sistema da ordem tributária desse tipo. E toda a energia acaba drenada para administrar uma situação tributária ultrapassada”.

– “Sobre a dívida pública dos Estados, o posicionamento dos governadores é uma proposta de repactuação dos critérios de correção, que atualmente são o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ou a taxa Selic. As dívidas do Sul e Sudeste com a União somam cerca de R$ 630 bilhões”.

– “Os Estados estão engessados com os encargos dos contratos de suas dívidas com a União e ainda precisam investir em infraestrutura e custear a manutenção dos serviços públicos. Isso prejudica nosso desenvolvimento”.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Após discurso preconceituoso de vereador gaúcho, ministros do Tribunal Superior do Trabalho manifestam solidariedade aos nordestinos
Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, chega a 200 transplantes de medula
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play