Domingo, 05 de dezembro de 2021

loader

Governo admite saída de Guedes. Pior: atirando

A demissão de dois secretários e dois adjuntos do Ministério da Economia, nesta quinta (21), reforçou a expectativa de demissão do próprio Paulo Guedes. As apostas no governo são de que ele pode sair “atirando”, como o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, acusando o governo de se render ao populismo. Ele está amuado desde sábado (16), quando o presidente Bolsonaro o chamou e disse em tom grave: “Paulo Guedes, decidi que o valor do benefício será de 500 reais por mês, no mínimo 400. Se você não gostar, paciência. A decisão está tomada”.

Manda quem pode
Bolsonaro achava que Guedes se demitiria tão logo fosse comunicado da decisão, mas o ministro não reagiu. Apenas balbuciou um “sim, senhor”.

Juiz da disputa
Guedes trava queda de braços com ministros da área social. Ele era contra aumentar benefícios sociais. Bolsonaro atuou como juiz da briga.

Ordem era viabilizar
A admiração de Bolsonaro por Guedes foi minada pela incapacidade ou desinteresse da equipe econômica de viabilizar o Auxílio de R$400.

Mais dia, menos dia…
Apesar de não haver pedido demissão, como se temia, no Planalto poucos apostam que Guedes permaneça muito tempo no governo.

Aneel premia distribuidoras em aumentos abusivos
As distribuidoras já devem ter concluído não ser necessário satisfazer a clientela, um dos primados do capitalismo, e sim os amigos da “agência reguladora” Aneel. A julgar pelos aumentos abusivos que conseguiram nas contas de luz, bem acima da inflação, a turma da Aneel deve estar muito feliz com a má qualidade dos seus serviços. Aumentaram as tarifas em Goiás (16,75% em média), São Paulo (12,4%) e Brasília (11,1%).

Tunga goiana
Consumidores residenciais goianos pagarão 16,4% a mais pelos serviços ruinzinhos da Enel. Já os consumidores de alta tensão, mais 14,2%.

Saudades da CEB
A Neoenergia conseguiu o impossível: os brasilienses sentem saudades da antiga estatal CEB, após restabelecer os apagões e “pisca-piscas”.

Cliente ‘investidor’
A Neoenergia prometeu investir R$ 200 milhões anuais na CEB. Ontem, a Aneel explicou que o aumento ignóbil é para “remunerar investimentos”.

Ideia indigente
O pré-candidato Rodrigo Pacheco teve a mais inútil das ideias: “mediar” reunião entre Petrobras e Estados que se beneficiam dos aumentos selvagens de combustíveis. Seria mais ou menos a reunião da navalha com a faca afiada, para discutir formas de avançar no nosso pescoço.

A volta do horror
O STF declarou “inconstitucional” o sistema de sucumbência da reforma trabalhista. Teremos a volta da enxurrada de ações que afujentam empregadores. E da indústria de indenizações rimando com extorsões.

Pântano da insegurança
Chocado com a decisão do STF que fere de morte a reforma trabalhista, o deputado Alexis Fonteyne (Novo-SP) desabafou nas redes sociais: “recriaram o pântano de insegurança jurídica da justiça trabalhista”.

Olha a ideia
Relatado por Alice Portugal (PCdoB-BA) na Câmara, projeto exótico de Humberto Costa (PT-PE) limita alunos por salas em escolas públicas, como se fossem abundantes. Mas estudos “são inconclusivos”, diz ela.

Ritmo Alcolumbre
A Comissão de Relações Exteriores do Senado finalmente aprovou a indicação de cinco embaixadores brasileiros para o Haiti, Peru, Uruguai, Nicarágua e Congo. Algumas estavam paradas desde julho.

Fruto da pandemia
Especialista em litígio envolvendo transporte marítimo, o advogado Larry Carvalho disse que o setor vive uma “tempestade perfeita” com pouco tráfego, custo recorde e falta de contêineres, que levaram o Brasil a deixar de exportar US$ 500 milhões nos últimos meses, apenas em café.

Limite máximo
O Instituto dos Advogados Brasileiros defendeu que o comprometimento máximo da renda com pagamento de dívidas seja de 35%. Em audiência no Ministério da Justiça, o IAB disse ser o limite para garantir vida digna.

Dono da verdade
Para combater a “tirania das big techs”, o ex-presidente dos EUA Donald Trump anunciou a criação de uma nova rede social: Truth (verdade em inglês). Segundo ele, o diferencial da plataforma será não haver censura.

Pensando bem…
… Auxílio Brasil só não é prioridade para quem não precisa dele.

PODER SEM PUDOR

Papo de principiante
Jânio Quadros era prefeito de São Paulo em 1988 e começou a articular sua sucessão. Pediu para o deputado Gastone Righi (PTB) promover um encontro com o apresentador Sílvio Santos. Antes do almoço, na casa de Righi, Jânio quis saber como Sílvio planejava lidar com os vereadores. “Simples. Os vereadores foram eleitos pelo povo, e como só vou mandar projetos de interesse do povo, eles vão aprovar tudo. Vai ser tranquilo.”

Percebendo estar diante de um principiante, Jânio apenas respondeu: “Gastone, meu bem, seria bom mandar servir o almoço…” E não se falou mais no assunto.

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cláudio Humberto

Bolsa Brasil pode ser novo nome do Bolsa Família
Suplentes ricos fazem Pacheco barrar reforma do IR
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play