Domingo, 21 de abril de 2024

Governo brasileiro não vai enviar munição à Ucrânia, garante ministro das Relações Exteriores

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, afirmou que o Brasil não vai enviar munição de tanques à Ucrânia. A declaração foi dada em Munique, na Alemanha, onde ele representou o Brasil na 59ª Conferência de Segurança. O encontro reuniu mais de 40 líderes mundiais.

Na avaliação do governo brasileiro, a medida seria entendida como uma participação do Brasil na guerra. “Em vez de participar de uma guerra, preferimos falar de paz”, ressaltou o chanceler. Vieira enfatizou a disposição do país em participar de uma mediação para se chegar a uma trégua e depois negociar a paz: “O Brasil está pronto para ajudar sempre que possível”, afirmou.

“Clube da paz”

Durante visita ao Brasil do chanceler federal alemão, Olaf Scholz, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva propôs que o Brasil faça parte, junto com a China, de um grupo mediador entre a Rússia e a Ucrânia, numa espécie de “clube da paz”.

Em recente entrevista, Lula voltou a defender a formação do grupo e ressaltou que o Brasil não poderia fornecer munições, pois assim estaria participando do conflito.

“Se eu vendo as munições para o canhão que a Alemanha vai dar para a Ucrânia, significa que o Brasil está entrando na guerra. E eu não quero entrar na guerra, eu quero acabar com essa guerra”, afirmou o chefe do Executivo, que planeja uma viagem à China em março para se encontrar com o presidente Xi Jinping.

Pedido por munições

Durante encontro em Washington com o presidente americano, Joe Biden, Lula adotou a mesma postura: “Eu estou convencido de que é preciso encontrar uma saída para colocar fim a essa guerra. E senti, da parte do presidente Biden, a mesma preocupação, porque ninguém quer que essa guerra continue”, afirmou na ocasião. “É preciso que tenha parceiros capazes de construir um grupo de negociadores [em] que os dois lados acreditem.”

Lula negou em janeiro um pedido do governo da Alemanha para que o Brasil fornecesse munição de tanques que seria repassada por Berlim à Ucrânia, sob invasão russa desde 24 de fevereiro de 2022. A decisão foi tomada durante reunião com os chefes das Forças Armadas e o ministro da Defesa, José Múcio.

Sanções

Em Munique, Vieira também defendeu a postura do governo brasileiro de não apoiar sanções contra a Rússia. Ele lembrou que Lula, desde o início de seu governo, condenou a invasão da Ucrânia como uma violação do direito internacional. Segundo ele, o país não participa das sanções a Moscou porque a lei brasileira só permite tais medidas a partir de decisões do Conselho de Segurança da ONU.

Na Alemanha, Mauro Vieira teve vários encontros bilaterais com os chanceleres da Bósnia e Herzegovina, do Canadá, da Colômbia, Eslovênia, de Malta, da República Dominicana, do Reino Unido e da Suíça, bem como com o alto representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança.

Criada em 1962, a Conferência de Segurança de Munique tornou-se um dos principais foros globais de discussão e reflexão sobre os desafios à paz e à segurança internacional.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

China critica comportamento “histérico” dos Estados Unidos
Força Aérea Brasileira entrega 62 cestas básicas para crianças yanomami internadas no único hospital infantil de Roraima
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play