Domingo, 16 de junho de 2024

Governo brasileiro teme que vacinação contra gripe aviária aumente barreiras comerciais ao País

O governo do Brasil não é a favor da vacinação como forma de controlar a gripe aviária, devido ao risco de uma campanha com esse objetivo inevitavelmente levará a barreiras comerciais. A informação é de um diretor do Ministério da Agricultura e Pacuária.

Maior exportador mundial de aves, o Brasil confirmou oito casos da doença (cujo nome técnico é “influenza aviária altamente patogênica”, ou “HPAI”) em aves selvagens, sem atingir granjas comerciais. Um dos registros se deu em São João da Barra (RJ).

“Atualmente, o País está livre de HPAI”, explica Eduardo Cunha, representante do Brasil em reunião da Organização Mundial da Saúde Animal (OMSA) na França e diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Quase US$ 10 bilhões em exportações de frango estarão em risco se a gripe aviária infectar granjas comerciais no Brasil, que assumiu um papel crescente no abastecimento mundial de aves e ovos. Isso porque os importadores proíbem a carne de frango e peru de países com o vírus circulando em suas granjas.

Relutância

A gravidade do atual surto de gripe aviária levou alguns países a considerarem a vacinação de aves. Já outros, como os Estados Unidos, permanecem relutantes, sobretudo por causa das restrições comerciais que isso acarreta.

“O Brasil exporta aves e derivados para mais de 130 países, o que tornaria um grande desafio as negociações com esses importadores para aceitar seus produtos vacinados”, acrescenta Cunha.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Supremo retoma nesta quarta análise de porte de droga para consumo próprio
Instituto Butantan avança no desenvolvimento de vacina contra gripe aviária em humanos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play