Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Governo confia no presidente do Senado Rodrigo Pacheco e no Supremo para manter veto ao calendário de emendas aprovado pelo Congresso

Com parlamentares desmobilizados na “ressaca” do Ano Novo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva impôs um novo freio ao avanço do Congresso sobre o Orçamento, ao vetar no primeiro dia útil do ano, o calendário de execução de emendas parlamentares. A medida era esperada em Brasília, mas alimenta a rota de colisão entre Executivo e Legislativo.

Ainda assim, o Palácio do Planalto, sem maioria no Congresso, conta com as pontes firmadas junto ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e ao Supremo Tribunal Federal (STF) para manter o seu controle na execução de emendas neste ano eleitoral.

Ao analisar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), Lula vetou a obrigação de o governo reservar dinheiro para as chamadas emendas impositivas em até 30 dias após a divulgação das propostas. Também discordou da obrigação de o governo pagar as emendas na modalidade fundo a fundo (entre a União e entes federados) nas áreas de saúde e assistência social até 30 de junho. A argumentação é que esses pontos são prerrogativas do Executivo.

“Estamos em regime presidencialista. É impróprio o parlamento determinar quando os recursos devem ser pagos, isso ofende à Constituição. O Parlamento haverá de entender que isso é não é adequado, ao sistema de governo vigente no Brasil. Vamos dialogar ao máximo com o parlamento para manutenção desses vetos”, disse o líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP).

Deputados e senadores derrubaram, no apagar das luzes do ano passado, os vetos de Lula à desoneração da folha de pagamento e ao marco temporal. No primeiro caso, o governo recorreu a uma Medida Provisória (MP) para alterar a lei mantida com a derrubada do veto, deflagrando uma pressão de senadores sobre o Pacheco para recusar a manobra. Já o veto ao marco temporal foi levado ao Supremo.

A aliança de Lula com a cúpula do Judiciário ganhará um novo pilar em fevereiro, quando o ministro da Justiça, Flávio Dino, tomar posse na Suprema Corte. No caso de Pacheco, o presidente do Congresso tenta se equilibrar entre os interesses dos colegas senadores para emplacar Davi Alcolumbre (União-AP) como seu sucessor em 2025, ao mesmo tempo em que deseja o apoio de Lula e do PT para disputar o governo de Minas Gerais em 2026.

Randolfe evita antecipar se o governo vai ao STF caso os vetos à LDO sejam derrubados em uma sessão do Congresso, que precisaria ser agendada por Pacheco. “Cada dia com sua agonia. Antes de qualquer debate jurídico, vamos procurar convencer o Legislativo da impropriedade [do calendário de emendas]. Temos tempo para amadurecer o assunto com o Parlamento, e o presidente Pacheco vai ter essa compreensão”, declarou.

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP), vice-líder do governo no Congresso, diz que os vetos já eram esperados na oposição. “Alguns pontos [da LDO] buscavam dar certa impositividade para o Orçamento, como o cronograma de emendas. Tínhamos interesse em aprovar o Orçamento e não iríamos criar obstáculo para a votação, mas sempre deixamos claro que não havia acordo”..

Para Zarattini, um dos articuladores do Planalto na Comissão Mista de Orçamento (CMO), é legítimo que quem é a favor de mais impositividade no Orçamento busque derrubar os vetos de Lula à LDO. “Mas tem coisas ali que são inconstitucionais. A execução do Orçamento — dizer quando liberar ou empenhar emendas — cabe ao Poder Executivo, não ao Legislativo. O governo vai lutar para não derrubar o veto. E mesmo que derrube, o governo ainda tem a possibilidade de ir ao Supremo”, acrescentou o deputado.

O relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2024, deputado Danilo Forte (União-CE), defendeu mais impositividade nas emendas para não deixá-las reféns de negociações políticas, especialmente porque o dinheiro reservado a deputados e senadores não poderá ser empenhados entre julho e novembro por conta das eleições municipais.

Carlos Zarattini nega uma afronta de Lula aos parlamentares e afirma que ainda “tem muita água para rolar” nessa discussão dos vetos à LDO.

“O governo tem o maior interesse de fazer os empenhos antes da eleição, o que não pode é colocar na lei uma obrigação que é inconstitucional. Eventualmente, podemos ter problemas de arrecadação, uma outra questão que exija gastos adicionais. O governo não pode aceitar uma obrigação inconstitucional”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Piloto de helicóptero desaparecido em São Paulo relatou dificuldade durante voo
Presidente da Câmara dos Deputados diz que as redes sociais exigem mudanças para garantia de direitos individuais
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play