Sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

Luana Piovani aceita aparecer nua em cena de sexo pela primeira vez: “Me senti segura”

Depois de quase 30 anos de carreira e muitos “nãos” para diretores e produtores que queriam colocá-la nua em cena, Luana Piovani agora aceitou tirar a roupa num filme. E não só: topou também aparecer numa cena de sexo a três no longa-metragem “Maior que o mundo”, que estreia na quinta-feira.

Por mais que possa parecer um tanto erótico, a atriz, de 45 anos, abriu essa exceção justamente por achar que a proposta do diretor, Beto Marquez, não tinha nada a ver com as abordagens fetichizadas que ela esbarrara no passado. No roteiro, Luana vive a bissexual Mina, “uma dessas paulistanas do baixo Augusta, com franja modernex e sobrancelhas descoloridas”, amiga do protagonista Cabeto (Eriberto Leão). Escritor de um sucesso só, ele plagia um diário e precisa lidar com a fúria do autor original e as consequências desse crime.

“A ideia do filme não quer vender corpos bonitos e sexo, entendeu? Sou uma personagem que não tem nada a ver com sensualidade. O sexo era apenas um pedaço da história. Achei que cabia ali. Eu estava feliz com o todo e me senti segura”, diz Luana, que até esta entrevista nunca tinha ouvido falar em “coordenadora de intimidade”, figura hoje muito comum nos sets dos Estados Unidos para estabelecer protocolos de segurança e bem-estar em cenas de nudez e sexo e coibir abusos. “Entendo as americanas quererem isso, porque americano é foda, né? Homem branco já é insuportável. Homem branco americano acha que é o dono do mundo. Então, imagina os poderosos de Hollywood?”

Coisas do ‘Brasilzão’

Gravado em 2018, antes de a atriz se mudar para Portugal, “Maior do mundo” sai só agora por causa das dinâmicas do cinema brasileiro, diz a paulistana, que chega a sua cidade natal para uma pré-estreia exclusiva para convidados.

“A gente tem dinheiro para fazer o filme, mas não tem dinheiro para montar. Tem dinheiro para montar, mas não tem para lançar. Finalmente, tem dinheiro para lançar, mas o distribuidor não confia tanto, prefere o blockbuster. Assim vai, né? Chama Brasilzão.”

O filme também traz o último trabalho de Fernanda Young como atriz, três anos depois de sua morte. Ela participa do longa como uma uma apresentadora de TV. O convite foi feito pela produtora Tatiana Quintella, a quem Luana chama de “patroa” por terem trabalhado em projetos anteriores, inclusive no reality show “Luana é de lua”, do E! Entertainment, que a atriz promete retomar no ano que vem.

Há três anos na Europa, a brasileira diz não sentir saudade alguma de trabalhar na TV daqui, embora espere convites para mais papéis no cinema nacional. Enquanto isso, dedica-se a sua primeira novela portuguesa, “Segredo”, na emissora Sic, em que interpreta a médica brasileira Vanda.

Apesar de não ser fã de projetos muito longos (no Brasil, a última novela foi o remake de “Guerra dos sexos”, em 2012), ela viu a necessidade de se entregar a uma produção nesses moldes para ficar ainda mais conhecida pelos portugueses. O objetivo final é conseguir ser bem-sucedida no futuro com teatro, sua maior paixão artística.

“Fazer várias minisséries foi bacana. Mas, como no Brasil, a maior audiência é a novela. Estou projetando ficar aqui ainda por muito tempo. Então, preciso criar meu público. Assim, consigo esticar para a minha peça, um projeto de stand-up aqui em Portugal”, diz ela. As informações são do jornal O Globo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Variedades

Porsche inspirado no filme “Carros” vai a leilão para ajudar refugiados
Quem define os nomes dos cometas? Saiba como é feita a escolha
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play