Quarta-feira, 22 de maio de 2024

Lula deve passar por cirurgia no quadril em setembro; antes, visita Nova Délhi, Havana e Nova York

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá uma série de compromissos oficiais neste mês de setembro, com viagens a três países (Índia, Cuba e Estados Unidos) e a expectativa por definições da reforma ministerial e dos substitutos do procurador-geral da República, Augusto Aras, e da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF).

No final do mês, Lula deverá passar por uma cirurgia no quadril. O petista sofre de artrose e convive com dores no lado direito do quadril.

O Palácio do Planalto já informou que a cirurgia está prevista para ser realizada por volta de 29 de setembro, a última sexta-feira deste mês. A data, no entanto, ainda não foi confirmada pela Presidência.

Desfile militar
Nesta quinta-feira (7), em Brasília, Lula voltará a participar como presidente da República de um desfile de 7 de Setembro, que marca o aniversário da independência do Brasil. O tradicional desfile cívico-militar será realizado na Esplanada dos Ministérios, com previsão de início às 9h. Cerca de 2 mil militares devem desfilar. O Planalto projeta público de 30 mil espectadores. Ele dará a autorização para o início do desfile. O governo definiu o tema ‘Democracia, soberania e união’ para a festividade.

G20 na Índia
Após o desfile, Lula embarcará para Nova Déhli, na Índia, onde participará neste fim de semana (sábado e domingo) da cúpula de chefes de Estado e de governo do G20. Será a primeira visita de Lula ao país asiático neste terceiro mandato.

O Grupo dos 20, conhecido como G20, é uma organização que reúne ministros da Economia e presidentes dos Bancos Centrais de 19 países e da União Europeia. Juntas, essas nações representam cerca de 80% de toda a economia global. O Brasil assumirá a presidência rotativa do G20 no ano que vem. À frente do grupo, Lula pretende priorizar temas como preservação ambiental, transição energética e combate à miséria.

Cuba
O petista também fará sua primeira visita à Cuba neste mandato. Ele participará no dia 16, em Havana, do encontro do G-77, um grupo de países em desenvolvimento. A expectativa é de que Lula se reúna com o presidente do país, Miguel Díaz-Canel. As relações diplomáticas entre Brasil e Cuba foram enfraquecidas durante a gestão Bolsonaro.

Lula, que tem apostado na retomada das relações diplomáticas com diversos países, é crítico do embargo americano ao país caribenho.

ONU
O presidente deve seguir de Havana para Nova York, nos Estados Unidos, onde fará o discurso de abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Tradicionalmente, cabe ao representante do Brasil abrir os debates entre chefes de Estado e de governo dos países que integram a ONU.

A última participação de Lula na assembleia-geral foi em 2009. No retorno ao encontro, ele deve reforçar o discurso pelo combate à desigualdade e às mudanças climáticas.

O petista também deve manter a campanha pela reformulação do Conselho de Segurança da ONU e pelo fim da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Lula deve se reunir, durante a estadia em solo americano, com o presidente dos EUA, Joe Biden. Entre as pautas, está a discussão de políticas para incentivar o ‘trabalho decente’, que faz parte da lista de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pela ONU. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o conceito leva em conta uma série de indicadores, como oportunidades de emprego, rendimentos, jornada e trabalho análogo à escravidão.

Reforma ministerial
Lula ainda não definiu as mudanças que fará para incluir na equipe ministerial representantes do PP e do Republicanos, dois partidos do Centrão. Os deputados André Fufuca (PP-MA) e Sílvio Costa Filho (Republicanos-PE) são os nomes definidos por seus partidos. Lula deseja reforçar sua base de apoio no Congresso Nacional. O presidente ainda avalia quais pastas os parlamentares assumirão e quais ministros trocarão de postos ou deixarão o governo.

O petista já anunciou que deseja criar um ministério para pequenas e médias empresas, porém não oficializou a medida. A demora, conforme interlocutores, gera insatisfação nos partidos do Centrão, bloco que tradicionalmente apoia os governos em troca de cargos e recursos do orçamento público.

Supremo e PGR
Lula trata ao longo do mês de escolhas para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para o Supremo Tribunal Federal (STF). O mandato do atual procurador-geral da República, Augusto Aras, indicado no governo de Jair Bolsonaro, acaba neste mês.

O petista ainda não definiu o nome que comandará o Ministério Público Federal pelos próximos dois anos. Ele avalia três opções: Mário Bonsaglia, Antonio Carlos Bigonha e Paulo Gonet. O indicado pelo presidente terá de ser sabatinado e ter o nome aprovado pelo Senado. O mesmo rito vale para o substituto da ministra Rosa Weber, que se aposentará de forma compulsória em 2 de outubro, ao completar 75 anos.

Lula é pressionado por parte da sua base política a indicar uma mulher para a Suprema Corte. Apenas três mulheres foram ministras em 132 anos. O presidente não se comprometeu a seguir esse desejo de seus apoiadores. Entre os cotados para a vaga estão Flávio Dino (ministro da Justiça), Jorge Messias (AGU) e Bruno Dantas (TCU) .

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Partido de Bolsonaro estuda alianças com petistas em 2024, e movimento desagrada bolsonaristas
Companhia Nacional de Abastecimento é homenageada no Senado Federal
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play