Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Mercado financeiro já aposta em taxa Selic acima de 14% ao ano em 2022

O processo contínuo de deterioração das expectativas de inflação de médio prazo e a exigência, por parte do mercado, de prêmios ainda mais altos devido à escalada dos riscos fiscais e à piora no ambiente externo têm provocado uma migração dos agentes para cenários em que a Selic terá de subir ainda mais e ficar em níveis bastante altos por período bem longo. Após diversos pregões de pressão forte nos juros futuros, o mercado embute nos preços um cenário de Selic entre 14,25% e 14,5% neste ano e poucos cortes na taxa em 2023.

A percepção de que o ambiente econômico em vigor requer juros mais elevados e que precisarão ficar em níveis bastante restritivos por um tempo ainda maior tem tido cada vez mais adeptos. Na semana passada, o Santander elevou sua projeção para a Selic de 13,5% para 14,25% no fim deste ano e passou a ver a taxa em 12% em dezembro de 2023, diante de um processo de desinflação que será ainda mais lento à frente e que, portanto, exige uma Selic ainda alta por um longo período.

“O cenário que o Banco Central utilizou na última reunião do Copom ficou antigo muito rápido, ao se ter em vista que, desde então, foram aprovadas novas legislações relacionadas a combustíveis e que aumentavam as transferências do governo. Isso tem implicações no cenário. Além disso, o mercado de trabalho está evoluindo muito bem e está muito mais aquecido do que nós imaginávamos. A economia está mais forte que o antecipado, com uma composição do mercado de trabalho forte, o que indica uma ociosidade menor do que o BC imaginava”, afirma o superintendente de pesquisa macroeconômica do Santander, Mauricio Oreng.

Para ele, a autoridade monetária deve elevar suas projeções de atividade e de inflação, o que pode gerar uma revisão do plano de voo da política monetária. “O BC continua comprometido com uma estratégia de levar a inflação para o redor da meta. Com uma atividade mais forte e expectativas de inflação que subiram desde o último Copom, tentamos antecipar a ideia de plano de voo do BC”, diz Oreng ao apontar para a expectativa do Santander de uma Selic a 14,25%.

Para o próximo ano, o banco ainda projeta uma inflação bem acima da meta, com o IPCA em 5,7%. Em relação a 2024, porém, o Santander estima um IPCA em 3%, mas em um cenário em que o juro fica restritivo por bastante tempo. “O horizonte de convergência da inflação será mais longo e, então, o BC tem de se comprometer com a meta de 2024, onde a incidência dos choques deve ser menor e, assim, ele vai ter melhores condições para levar a inflação para o centro da meta”, avalia.

Uma fonte de preocupação de boa parte no mercado no momento está no fato de as expectativas de inflação de 2024 terem se afastado ainda mais do centro da meta, ao subirem de 3,25% para 3,30% no Focus. Em agosto, o ano-calendário de 2024 passa a ser contemplado oficialmente no horizonte relevante da política monetária.

“Ainda é cedo para as expectativas de 2024 subirem e elas já iniciaram esse movimento. É um filme parecido com o que vimos no ano passado, mas claro que há uma diferença no nível dos juros. O BC tinha números bem baixos, até bem diferentes do mercado, e as expectativas foram convencendo [a autoridade] a alterar o plano de voo”, lembra o economista-chefe para Brasil do Bahia Asset Management, Luiz Maciel, cuja projeção para a Selic subiu de 13,75% para 14,25%.

Maciel se mostra preocupado não só com a dinâmica das expectativas de inflação, mas também com os níveis elevados dos núcleos em um ambiente de mercado de trabalho mais aquecido e política fiscal mais expansionista. Para o economista, se o cenário da gestora se confirmar e os próximos meses mostrarem núcleos de inflação ainda pressionados, as expectativas podem continuar a subir e, assim, o BC pode encontrar dificuldade para interromper o ciclo.

“No último trimestre deste ano já entra o ano de 2024 no horizonte relevante [em igual peso em relação a 2023]. Ele pode se apoiar nessa narrativa, mas acredito que ele tenha que parar de uma maneira muito ‘hawkish’ [inclinada ao aperto monetário], deixando claro que pode voltar a subir, se necessário, para as expectativas não saírem de controle”, afirma Maciel. O Bahia Asset projeta o juro básico em 12,25% no fim de 2023, nível bem acima do consenso do mercado revelado no último Focus (10,5%).

O economista-chefe da WHG, Fernando Fenolio, também incorpora em seus cenários um processo de desinflação da economia brasileira bastante lento, ao projetar o IPCA em 5,3% no próximo ano. Para ele, a persistência das pressões inflacionárias deve deixar pouca margem para reduções mais agressivas nos juros no próximo ano. “É uma inflação que fica consistentemente acima da meta. Inclusive, para 2024, acreditamos que a inflação pode ficar ao redor de 4%.”

A WHG espera que o juro básico fique em 13,75% no fim do ciclo e avalia que o BC só encontrará as condições para reduzir a Selic em junho de 2023. “Rodando alguns modelos, nos parece que 13,75% é menos do que ele deveria fazer em termos de juros, mas manter essa taxa parada por um longo período de tempo é o que ele vai acabar fazendo. A partir de junho, os cortes devem ser suaves, levando a Selic para 12,25% no fim do ano”, diz.

Para Fenolio, há inclusive riscos que podem levar a autoridade a retomar as altas de juros no ano que vem. “Seja por conta do câmbio mais elevado; de um Federal Reserve mais ‘hawkish’; da atividade mais forte em 2022; ou devido ao afrouxamento fiscal, que pode ser permanente.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Supermercado reduz estoque, e há menos ovos e leite nas prateleiras brasileiras
Em sete meses, Pix Saque e Pix Troco movimentam R$ 122 milhões
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play