Sábado, 20 de julho de 2024

Ministério da Justiça diz que não há preocupação com segurança para 8 de janeiro

O ministro interino da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, afirmou nesta quarta-feira (3), que não há “preocupação maior” em relação à segurança do ato que vai relembrar o aniversário de um ano dos ataques antidemocráticos de 8 de janeiro em Brasília.

Em entrevista à Rádio Eldorado, o número 2 do ministério foi questionado sobre a movimentação de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro em direção à capital federal neste início do ano e se haveria controle dos ônibus que entram na cidade.

“A segurança será reforçada, haverá monitoramento. O monitoramento está em curso”, respondeu Cappelli. “Até o momento, não há nada que gere preocupação maior, adicional. Claro que essas informações de inteligência mudam todo dia, mas até o momento não há nada que gere preocupação.”

Autoridades do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF) se reuniram na última semana de 2023 para discutir o esquema de segurança do evento. O objetivo da cerimônia é lembrar os ataques aos prédios públicos e reforçar compromissos com a democracia. O ato contará com a presença dos chefes dos Três Poderes e de governadores estaduais.

Alguns dos governadores mais alinhados ao ex-presidente, como Ibaneis Rocha (MDB) e Tarcísio de Freitas (Republicanos), já avisaram que não vão comparecer por estarem de férias. O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, pediu aos comandantes militares que reservem suas agendas para a próxima segunda-feira (8). Ele faz questão que as Forças Armadas estejam no evento preparado pelo Palácio do Planalto.

Capelli

Ricardo Cappelli é braço direito de Flávio Dino desde que o próximo ministro do Supremo era governador no Maranhão. Ele é cotado para assumir o lugar de Dino no ministério e chefia a pasta enquanto o titular está de férias. Na entrevista, Cappelli defendeu a gestão atual na área de segurança pública e argumentou por uma maior integração entre as diferentes corporações de polícia.

“O que nós construímos esse ano (2023), independentemente da escolha que o presidente Lula deve fazer em breve, esse caminho tem se mostrado correto”, disse. “Não há outro caminho para enfrentar o crime organizado que não seja o Susp (Sistema Único de Segurança Pública), a integração entre guarda municipal, polícias estaduais e federal.”

Ele destacou que o efetivo da Polícia Federal (PF) não é suficiente para combater crimes de fronteira e disse não haver espaço fiscal para aumentar o número de agentes. Por isso, para Cappelli, a única saída seria a integração entre as forças de segurança. O número 2 do Ministério da Justiça citou o instrumento de Garantia de Lei e da Ordem (GLO) aplicado a portos e aeroportos do Rio de Janeiro como exemplo de êxito nessa integração.

“O que está saindo da GLO hoje é que conseguimos colocar na mesma mesa PF, PRF (Polícia Rodoviária Federal) e Receita Federal junto com Exército, Marinha e Aeronáutica discutindo segurança pública”, afirmou. “O principal legado da GLO é a integração.”

O ministro interino citou como outra prioridade o combate ao crime organizado nos presídios e o enfrentamento a crimes financeiros.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Bolão do PT na Câmara ganha prêmio na Mega da Virada
Vistos para entrar no Brasil passam a ser obrigatórios para turistas dos EUA, Canadá e Austrália
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play