Quarta-feira, 18 de maio de 2022

loader

Na Alemanha, Rússia anuncia novas negociações sobre a Ucrânia

As discussões entre Rússia e Ucrânia em Paris, na França, “não foram fáceis” e vão continuar em uma nova rodada dentro de duas semanas em Berlim, na Alemanha, anunciou nesta quarta-feira (26) o enviado do Kremlin, Dmitri Kozak. Segundo o representante russo, o principal resultado da reunião, da qual participaram também Alemanha e França, foi a concordância em que, “apesar de todas as diferenças de interpretação”, “todas as partes devem manter o cessar-fogo” no Leste da Ucrânia “em virtude dos acordos”. Os participantes “discutiram a importância do grupo de contato trilateral para intensificar as atividades em vista do rápido progresso na implementação do acordo de Minsk”.

Cessar-fogo

Porém, muitas questões relativas a um acordo de paz para o conflito no leste europeu permaneceram sem solução após oito horas de negociações, disse Kozak. Ainda assim, ele espera que as posições possam ser alteradas e disse que outra reunião dos quatro países será realizada em duas semanas, em Berlim.

A Rússia insiste que não pretende invadir, mas o Ocidente ameaçou com severas penalidades econômicas se isso acontecer.

As conversas para acabar com a guerra no Leste da Ucrânia entre Kiev e os separatistas apoiados pela Rússia se encontram há anos sem progresso real, mas a reunião desta quarta-feira pode ser vista como um sinal positivo de diplomacia.

Um funcionário do governo francês disse  que era um bom sinal e um passo para desarmar as tensões. Segundo a autoridade, essa foi a primeira vez em mais de dois anos que o formato da Normandia concordou em algo e enfatizou que o acordo de um cessar-fogo incondicional é crucial no contexto atual.

“Esta reunião foi um teste. Acho que hoje vimos que os russos estão dispostos a diminuir a escalada sobre esse assunto, o que veremos se isso se confirmar em duas semanas”, disse o funcionário francês.

Otan

Os Estados Unidos se negaram, nesta quarta-feira, a excluir a possibilidade de uma adesão da Ucrânia à Otan, como era solicitado pela Rússia, mas ofereceram uma “via diplomática” para resolver a crise. A carta entregue à Rússia oferece “um canal diplomático sério, se a Rússia o desejar”, declarou o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken.

“Deixamos claro que há princípios básicos que estamos determinados a manter e defender, inclusive a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, e o direito dos Estados a escolherem suas próprias disposições de segurança e alianças”, afirmou o secretário de Estado norte-americano à imprensa. Blinken destacou que a resposta dos Estados Unidos não será tornada pública, mas divulgou alguns pontos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Itália tem 2º maior nível de casos e mortes da União Europeia em uma semana
“Desigualdade educacional vai aumentar entre países e dentro deles”, disse a pesquisadora chefe da OCDE sobre o Programa Internacional de Avaliação de Alunos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play