Sexta-feira, 19 de agosto de 2022

“Na minha vida, em nenhum momento me achei bonita, boa ou competente. Mesmo nas melhores fases, com o Brasil inteiro babando, me achando a musa, a linda”, diz Cristiana Oliveira

No ano em que estreou o remake da novela Pantanal, sucesso dos anos 1990, Cristiana Oliveira, que ficou conhecida nacionalmente e internacionalmente por ter interpretado Juma – protagonista feminina da história – lança sua autobiografia, “Cristiana Oliveira: Versões de Uma Vida”, na qual conta como viveu por anos sendo uma pessoa insegura e sem autoestima, mesmo com todos os aplausos do mundo.

Com 58 anos “bem vividos” e superada a crise de identidade, Krika – seu apelido de infância – hoje aborda sua trajetória até o autoconhecimento e aceitação em palestras pelo País.

Além de atriz e palestrante, Cristiana é ativista da causa ambiental, com foco na preservação do Pantanal, é claro. “Sou ativa, ativista mesmo, não só voz, mas ação, participo, faço expedições, sou uma pessoa que me preocupo demais com a biodiversidade”, contou.

Com o lançamento do remake de Pantanal a atriz começou a ser muito procurada. “Obviamente as pessoas começaram a me procurar, foi aquele barulho em 1990. E coincidiu de estar terminando de escrever minha biografia. Aí pensei, bom, já que as pessoas estão abordando essa questão toda do remake de Pantanal, vou aproveitar a visibilidade para lançar meu livro, que aborda questões positivas para as pessoas. Porque senão, só falaria da Juma o tempo inteiro. A Juma não me define como pessoa, a respeito, entendo perfeitamente a demanda e a procura das pessoas falando dela, mas tenho muitos outros trabalhos.”

Cristiana afirma que seu livro aborda um pouco da ideologia feminista da década de 70. “Nasci em 1963, sou a caçula de nove irmãos, sendo sete mulheres. Cresci na década de 70, era muito pequena e tal, mas passei por toda essa coisa do feminismo, liberdade, Woodstock. Cresci com essa ideologia feminista, mas, ao mesmo tempo era filha de uma mãe e de um pai machistas, não pro lado negativo, mas cultural, pela forma como foram educados, onde a mulher tinha que ser bonita, magra, aparentar ser jovem, escondia a idade, então era aquela coisa”, afirmou.

A atriz fala da dificuldade em aceitar que merece o sucesso. “Hoje em dia tem um nome para esse sentimento, a ‘síndrome da impostora’, que é caracterizada por pessoas que têm tendência a achar que o sucesso atingido não foi merecido, é bastante comum, especialmente entre as mulheres.”

Autoconhecimento

“Foi aos 40 e poucos anos, falei: ‘Cristiana, chega, para, porque daqui pra frente você só vai sofrer’. Foi um processo longo, de autoconhecimento, de entender o que era para os outros, o que era pra mim, o que achava interessante, bacana na minha vida e o que estava fazendo pra agradar. E aí foi uma libertação, né, que é o que eu escrevo nesse livro”, disse a atriz.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Celebridades

Nasa tem planos de encontrar alienígenas subaquáticos em outros planetas com robôs de natação
Kéfera posa de short aberto para mostrar nova tatuagem “secreta”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play