Sábado, 13 de abril de 2024

Neymar doou os 150 mil euros que levaram à redução da pena de prisão de Daniel Alves

Daniel Alves foi condenado a 4 anos e meio de prisão por estuprar uma mulher de 23 anos no banheiro de uma boate espanhola, em dezembro de 2022. A Justiça espanhola aplicou à pena do jogador uma atenuante de reparação de danos porque, “antes do julgamento, a defesa depositou na conta do tribunal o montante de 150 mil euros (R$ 798 mil, na cotação atual) para que pudesse ser entregue à vítima independentemente do resultado do processo”.

Esses 150 mil euros foram doados a Daniel Alves pelo amigo de longa data, Neymar, e parentes do camisa 10 da seleção. Neymar da Silva Santos, o pai do atacante do Al-Hilal, da Arábia Saudita, transferiu dinheiro para auxiliar o ex-lateral do Barcelona e da seleção brasileira, conforme revelou o Uol em janeiro. A informação foi confirmada por Neymar Pai, pouco depois da publicação da reportagem.

Sem acesso aos seus bens desde que foi preso, Daniel Alves recorreu à ajuda financeira e jurídica de Neymar e família. A reportagem informou que o valor cedido pela família do atacante foi utilizado para depositar os 150 mil euros à Justiça espanhola, com o objetivo de argumentar pela redução da pena de Daniel, em caso de condenação.

Em conversa com o ex-jogador Emerson Sheik, Neymar Pai chamou a remessa a Daniel Alves de “ajuda a um amigo”. Ele disse que preferiu “ter o peso de acreditar em um amigo do que virar as costas para alguém”.

“A família nos pediu ajuda. O Daniel não tinha dinheiro para se defender, e o prazo para o pagamento da defesa estava expirando. Pense bem, em nenhum momento, eu podia negar ajuda a um amigo que está tentando se defender de uma acusação”, ressaltou Neymar Pai.

Sentença de Daniel Alves

Segundo o jornal La Vanguardia, o tribunal de Barcelona responsável pelo caso considerou ter ficado comprovado que a vítima não consentiu com a relação sexual.

Na avaliação do colegiado de juízes, porém, o depósito dos 150 mil euros “manifesta desejo de reparação”. A Justiça descartou que Alves tenha cometido os fatos em estado de embriaguez, o que a defesa alegava como circunstância atenuante para uma eventual condenação, com base na lei espanhola.

O tribunal considerou provado que “o arguido agarrou abruptamente a denunciante, atirou-a ao chão e, impedindo-a de se mexer, penetrou-a pela vagina, apesar de a denunciante ter dito que não, que queria ir embora”. O colegiado de juízes destacou ainda que “isto obedece ao tipo de ausência de consentimento, ao uso da violência e ao acesso carnal”.

Pena de Daniel Alves

Daniel Alves foi condenado a 4 anos e meio de prisão por estuprar uma mulher de 23 anos no banheiro de uma boate espanhola, em dezembro de 2022.

O Ministério Público espanhol pedia a condenação do atleta a 9 anos de prisão. Já a vítima, por meio de sua equipe jurídica, solicitou pena máxima para o delito, de 12 anos. A defesa do jogador pedia a absolvição dele, mas também tentou demonstrar em juízo que ele estava embriagado na hora do fato, o que poderia levar à redução da pena, caso se ele fosse considerado culpado.

Daniel Alves compareceu nessa quinta-feira a um tribunal de Barcelona. Todas as partes envolvidas no processo foram intimadas a comparecer à sessão.

O jogador aguardava preso a sentença do caso desde o começo do mês, quando foi concluído o julgamento. De acordo com a mídia espanhola, a expectativa era que o tribunal, presidido pela juíza Isabel Delgado, avaliasse a situação prisional de Dani Alves e decidisse se o mantém recluso. No entanto, também foi especulado que a Corte tivesse antecipado a leitura da sentença do atleta.

Além do réu, foram convocadas a promotora Elisabet Jiménez; a advogada da vítima, Ester García; e a advogada do acusado, Inés Guardiola.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Google anuncia plano para criar centro de engenharia centro de engenharia em São Paulo
As dúvidas do Grêmio para enfrentar o Inter neste domingo
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play