Terça-feira, 18 de junho de 2024

Nome de Gabriel Galípolo para a diretoria do Banco Central agrada a oposição

A escolha do atual secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, para a Diretoria de Política Monetária do Banco Central (BC) agradou senadores governistas e de oposição titulares da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Os parlamentares sinalizaram, por outro lado, que o economista precisará ter uma postura técnica diante de decisões que levem a queda ou aumento do juros.

Galípolo foi anunciado como o escolhido do governo para o cargo nesta segunda-feira pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Ele também indicou Ailton Aquino dos Santos para a diretoria de Fiscalização do BC.

Os dois ainda precisam ser sabatinados e terem seus nomes aprovados pelos senadores da CAE e pelo plenário da Casa. Ainda não há data para análise dos nomes. Parlamentares do PP e PL não protestaram contra a indicação do governo e elogiaram o nome.

Ex-ministro de Jair Bolsonaro, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) disse ter uma “boa impressão” do atual secretário, principalmente pelo diálogo estabelecido com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP). Já o senador Rogério Marinho (PL-RN) disse esperar isenção do indicado ao assumir o cargo.

“Espero que o indicado, caso seja escolhido, se atenha aos fundamentos da boa política monetária que o BC vem executando. Não ceda aos arroubos e despautérios do Lula e ministros que, aparentemente, acreditam que juros baixam com gritos e murros na mesa”, afirmou Marinho.

Entre os governistas, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou que a indicação foi muito boa e tem certeza que poderá melhorar a política monetária. Porém, lembrou que o Banco Central segue sendo autônomo.

“Terá que ser permanentemente técnico e autônomo. Com isso, influenciará decisões que o BC continua devendo”, disse Calheiros ao se referir a queda na taxa de juros.

O também emedibista Eduardo Braga (AM) avalia que Gabriel Galípolo não sofrerá resistência de senadores.

“Gabriel Galipolo e Ailton Aquino são quadros experientes. Ambos bons nomes técnicos. Acredito que serão bem recebidos pelos colegas no Senado, onde serão analisadas as indicações”, afirmou.

O senador Angelo Coronel (PSD-BA) disse que até os governistas foram surpreendidos com o anúncio e também pediu distanciamento de Galípolo com o governo para tomada de decisões.

“Fomos pegos de surpresa. Vamos avaliar seu currículo. O BC está bem representado, mesmo com os juros altos. Vamos ouvir o que ele tem a apresentar como sugestão para abaixar o juros. Não podemos pensar em abaixar o juros simplesmente com oba oba, temos que abaixar o juros com técnica”, disse.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Governo traça estratégia para garantir maioria no Banco Central na definição dos juros
Ibovespa sobe, ajudado por commodities; dólar tem forte alta
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play